A Violação dos Direitos Humanos acontece com frequência na #Internet. Todos os dias, discursos de ódio contra minorias ou classes são compartilhados. De padrões de comportamento á exploração de sexual, o Brasil e o mundo aprovam suas legislações e regulamentações para a internet. Recentemente o Brasil aprovou o Marco Civil da Internet, e agora conta com um site de denúncias, prevenção e segurança em Direitos Humanos criado pelo governo.

Ações

O usuário pode denunciar ações que aconteceram dentro e fora da internet através do site. Uma das prioridades do governo é amparar crianças e adolescentes, vítimas de violação de Direitos Humanos.

Publicidade
Publicidade

Além de informações sobre como criar uma denúncia, o site disponibilizou avatares para download gratuito com frases de apoio e difusão dos Direitos Humanos, que ainda conta com um número de WhatsApp para encaminhamento de denúncias. O Humaniza Redes trabalha com três Pactos firmados por todas as entidades que compõe o projeto:

Pacto pela denúncia

Pacto pela prevenção

Pacto pela segurança

O MEC divulgará através de materiais educativos para escolas públicas do Brasil, formas de manter o ambiente virtual livre de violações de Direitos Humanos. O canal de denúncia, o Disque 100 continua operando normalmente e o site só visa reforçar os canais de difusão de denúncias, prevenção e combate ao bullying na rede.

Leia também: Gilmar Mendes atrasa financiamento público de campanha

Brasil registra primeiro superávit do ano e supera expectativas

Parceria

Facebook, Twitter e Google apoiam o projeto, e ajudarão no processo de apuração das denúncias, mais comuns em redes sociais.

Publicidade

Além deles, a Unesco, a Unicef, os conselhos nacionais de Justiça e do Ministério Público e empresas de comunicação são parceiros do projeto. O site funciona com o suporte de Secretarias e Ministérios do Governo Federal. Coordenado pela Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, o #HumanizaRedes é composto pela Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, Secretaria de Políticas para as Mulheres, e pelo Ministério da Educação, Ministério das Comunicações e Ministério da Justiça.