O PMDB segue firme em seu intuito de enfraquecer o Palácio do Planalto. Agora, os alvos são o Ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, e o procurador-geral da República, responsável por entregar ao Supremo Tribunal Federal a lista de investigados na #Lava Jato, Rodrigo Janot.

A sigla deseja conseguir, através da CPI instalada na Câmara para apurar os fatos do escândalo do Petrolão, quebrar os sigilos telefônicos de Cardozo e Janot, no intuito de esclarecer os encontros de ambos com advogados de investigados pela Polícia Federal na Operação Lava Jato.

O PMDB é, na teoria, um partido da base aliada do governo. A sigla detém a vice-presidência do país, com Michel Temer, além de sete ministérios e o comando da Câmara dos Deputados, liderada por Eduardo Cunha, e do Senado, cujo líder é Renan Calheiros.

Publicidade
Publicidade

Entretanto, nos últimos meses, o partido tem se mostrado um grande entrave para algumas mudanças que o Palácio do Planalto pretende e necessita realizar, como o ajuste fiscal. Muitas foram as derrotas sofridas pela Presidente da República, Dilma Rousseff (PT), no Congresso Nacional, nos últimos tempos.

A decisão de pedir a quebra de sigilo de José Eduardo Cardozo e de Rodrigo Janot também é explicada pela acusação da sigla de que os dois teriam trabalhado politicamente na inclusão de Eduardo Cunha na lista de investigados do Petrolão. O Presidente da Câmara alega que Cardozo teria influenciado Janot a declará-lo como passível de investigação, sem que houvesse motivos concretos para tal.

No entanto, o PMDB encontra resistência inclusive do PSDB em relação à proposta de quebra de sigilo.

Publicidade

O partido, maior opositor do governo federal, prefere insistir apenas na investigação mais profunda de José Cardozo, pois não deseja que a Procuradoria-Geral da União seja enfraquecida em meio a um processo que promete atingir, principalmente, o partido do governo (PT). Para eles, procurar provas para a acusação de que Cardozo teria trabalhado em favor das empreiteiras e investigados da Lava Jato, forçando-o a se afastar do governo, já seria uma vitória importante.