Um dia após a presidenta #Dilma Rousseff sancionar o aumento do repasse de recursos ao fundo partidário para R$ 868 milhões, o ex-ministro do Superior Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, disparou pesadas críticas ao que classificou como "escárnio".

No projeto inicial, o #Governo distribuía R$ 289,5 milhões ao fundo, mas o montante foi alçado a R$ 868 milhões pelo relator no congresso, o senador peemedebista Romero Jucá (PMDB-RR). Os presidentes das legendas que compõem a base aliada do governo chegaram a enviar uma carta à Dilma pedindo a sanção do aumento.

O crescimento de 171,7% de repasse às siglas gerou a ira de Barbosa.

Publicidade
Publicidade

Em sua conta oficial no Twitter, o ex-ministro não poupou críticas à medida adotada e ainda orientou os brasileiros a se informarem sobre como esses recursos são geridos pelos políticos. "É um escárnio. Congresso aprovando verba de 900 milhões por ano para os partidos políticos. E para que doações de empresas privadas? Procurem saber em detalhes como essa montanha de dinheiro é administrada por esses caciques políticos", disse Barbosa.

Desde que foi instituído, o Fundo Partidário já gerou aos partidos políticos cerca de R$ 2,6 bilhões em recursos oriundos da União. Com o cálculo feito a partir da inflação e do mercado atual, seriam aproximadamente R$ 4 bilhões nos dias atuais. O fundo opera há mais de 20 anos.

O salto dado no ano de 2015 representa a maior dotação desde a Constituição do ano de 1988.

Publicidade

Ele é dado justamente em um momento do cenário político cujo o partido governante incentiva o debate sobre a inclusão do sistema de financiamentos públicos para campanhas. Desde as manifestações que tomaram as ruas do país em 2013, que voltaram nos meses de março e abril de 2015, o Partido dos Trabalhadores (#PT) coloca esta alternativa como forma de estancar a corrupção.

Entre 1996 e 2015, o fundo para partidos políticos cresceu 490%. Em tese, esses recursos são destinados a custearem as despesas dos partidos. Entretanto. cada composição tem absoluta autonomia para utilizar o dinheiro como quiser.