Desde que o #PT começou a governar o Brasil, há longos treze anos, o país assistiu a guerra de poder entre políticos, sobretudo, os chefes da Casa Civil. Pode-se dizer que tudo começou com José Dirceu, que foi ministro da Casa Civil na fase inicial do governo de Lula. Logo quando começou suas atribuições, ampliou os poderes conferidos à sua pasta. Era ele quem comandava a máquina partidária e que fez a política de leão vegetariano no governo. Vendeu uma imagem de Lula aos radicais, investidores e opositores e tornou-se um "super Ministro".

Por outro lado, sua sucessora, Erenice Guerra, não era do tipo que chamava muita atenção, muitas vezes passando despercebida.

Publicidade
Publicidade

Isso até conhecer Dilma. Em 2003 foi nomeada chefe da consultoria jurídica do Ministério de Minas e Energia, na época comandado por Dilma, que por sua vez foi indicada por Lula. Quando Dilma foi para a Casa Civil, Erenice a acompanhou como sua secretaria executiva.

Após Dilma deixar o cargo para disputar a Presidência da República, Erenice assumiu o cargo de ministra chefe da Casa Civil. Em cinco meses de cargo, Erenice passou por um escândalo de acusação de favorecimento dos negócios do filho e do marido. Terminado o seu cargo, abriu um escritório de advocacia frequentado por dezenas de empresários de diferentes setores com interesses no governo. Ela tinha influência o bastante no governo para ajudar a solucionar problemas de toda ordem para tais empresários.

Antonio Pallocci seguiu a mesma linha de "trabalho" como ministro da Casa Civil e hoje é um dos grandes milionários da política brasileira com patrimônio invejável de milhões de reais.

Publicidade

Milhões que não possuem procedência comprovada pelo político.

Todo o dinheiro que brotou da carreira política do trio fez com que a Polícia Federal e o Ministério Público deflagrasse, há duas semanas, a Operação Zelotes, que busca uma quadrilha que vendia "facilidades" no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais do Ministério da Fazenda. O CARF funciona como um tribunal para que empresas e até pessoas físicas recorressem de multas da Receita Federal com o pagamento de propinas. Somando-se todos os processos em andamento nesse órgão atualmente, os valores chegam aos incríveis meio trilhão de reais.

A polícia identificou um seleto grupo que, junto com algumas parcerias, oferecia decisões favoráveis no conselho em troca de propinas. Todo esse esquema pode ter gerado quase R$20 bilhões em prejuízos para os cofres públicos.

Durante as investigações, a polícia conseguiu ligar Erenice a uma parceria com um dos chefes da quadrilha do CARF. Os valores atualizados da Huawei, conferem um débito de R$705,5 milhões resultantes de cobranças da Receita Federal, dos quais nos documentos já apreendidos, Erenice figura como recebedora de 1,5% do valor que a empresa deixaria de recolher (cerca de R$10 milhões). Dirceu, embolsou cerca de R$39 milhões após deixar o governo e Palocci ganhou até R$20 milhões em apenas um ano eleitoral. #Corrupção