Renato Janine Ribeiro assumiu o cargo na manhã dessa segunda-feira (06) em Brasília, no Palácio do Planalto, com a presença da presidente Dilma Rousseff na cerimônia de posse para novo ministro. Durante a tarde participou da cerimônia de transmissão de cargo junto do então Ministro Interino Luiz Cláudio Costa. Janine é professor aposentado de Ética e Filosofia Política da USP e já ganhou importantes prêmios pelas suas obras, como o prêmio Jabuti em 2001, foi condecorado com a Ordem Nacional do Mérito Científico, em 1998 e condecorado com a Ordem de Rio Branco, em 2009.

O mais novo ministro já assumiu cargos importantes, foi presidente da Comissão de Cooperação Internacional da USP (CCInt) entre 1991 e 1994, secretário e conselheiro da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) entre 1997 e 1999, foi diretor de avaliação da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes - 2004 a 2008).

Publicidade
Publicidade

A decisão do governo brasileiro em escolher Janine já tinha sido tomada dia 26 de março e confirmado no dia seguinte. Especialistas e profissionais da área da #Educação receberam a notícia positivamente, já que o novo Ministro é uma pessoa que entende muito bem da questão da educação e carrega uma experiência grande nessa área.

"Por enquanto, agradeço a todos! E espero que a educação constitua um destes pontos que permitam unir o País, gente de um lado ou de outro mas que sabe que sem educar não se avança." Disse o novo ministro. A questão é que ele, logo de cara, vai encontrar um grande problema para resolver: cortes de gasto. A presidente afirmou em entrevistas que as necessidades básicas no setor da educação não serão modificadas, mas que os ajustes afetarão a educação do país, principalmente nas questões do PRONATEC e PROUNI.

Publicidade

O novo ministro disse que o primeiro desafio é resolver o problema dos cortes em algumas áreas da Educação. Há também a questão da implementação das 20 metas do PNE (Plano Nacional da Educação), que foi aprovado em 2014 e precisam ser resolvidas esse ano. Ainda estápendente a aprovação do orçamento de 2015 para as Universidades Federais, dentre outras.