Mais um dos cabeças pensantes do PT é denunciado e preso pela Polícia Federal, em sua própria residência. O tesoureiro do Partido dos Trabalhadores, João Vaccari Neto, participava (segundo denuncias contra ele) do esquema de propina da #Petrobras, a sua função era a lavagem do dinheiro público roubado e crimes de corrupção, que lhe rendia uma certa porcentagem do lucro sobre as transações criminosas.

Além de João Vaccari Neto, também chegou a ser interrogada a esposa dele, Giselda Rousie de Lima, que não foi presa. A mesma sorte não teve a irmã dela, Marice Correia de Lima, que acabou ficando detida, também acusada de fazer parte no esquema de corrupção da Petrobras.

Publicidade
Publicidade

O Ministério Público Federal investiga uma lista de políticos denunciados por delatores premiados. A operação está sendo chamada de 'Lava-Jato'. E não é só na corrupção da Petrobras que some o dinheiro que faz parte da riqueza do Brasil. É estranho que dois candidatos a presidência da República Federativa do Brasil, Dilma Rousseff e Aercio Neves, juntos, gastaram em suas campanhas política um total de 570 milhões de reais (segundo a Agência Terra). Devido a este fato, se torna contraditório a propaganda oficial do governo, que afirma: 'País rico é País sem fome'.

Vale lembrar e refletir sobre que o disse Lula numa plenária nacional organizada pela CUT (Central Única dos Trabalhadores), no dia 31 de Março de 2015. 'Não vou admitir que alguém venha levantar suspeita de que o PT é um partido corrupto', afirmou o ex-presidente.

Publicidade

Claro que ele estava se referindo a uma agremiação, que não pensa e não fala, porém, seus componentes humanos pensam, falam e têm cérebro, mas alguns deles usam estas ferramentas para realizar crimes contra a pátria, vide João Vaccari Neto.

Até quando o Brasil vai conviver com situações de desagravo? O povo brasileiro está ganhando as ruas, mas é preciso que este mesmo povo aprenda que sua situação pode ser resolvida através do voto. Só assim, os políticos corruptos terão o castigo que merecem. #Crime