As suspeitas de irregularidades na condução dos negócios da Fifa, a Federação Internacional de #Futebol, já eram destaque na imprensa (fora Grupo Globo) há meses. O jornal Estadão de São Paulo já tinha, inclusive, obtido documentos com exclusividade que provavam o esquema de corrupção com empresas de marketing esportivo. No entanto, a TV Globo preferiu jogar tudo por debaixo do tapete e só agora quando não tinha mais como esconder o caso tamanha sua repercussão decidiu dar destaque em seus telejornais.

No Globo Esporte São Paulo, Cristiane Dias fez questão de dizer que nenhuma empresa de mídia do mundo estava sendo investigada pelo FBI, a polícia federal americana.

Publicidade
Publicidade

No entanto, segundos depois anunciava que um dos condenados era um dos donos da TV Tem, uma das maiores afiliadas da emissora da família Marinho. O canal de comunicação evitou o assunto por esse motivo e também porque muitos de seus patrocinadores também estão sendo algo das investigações do FBI. O golpe pode atingir em cheio o canal, mesmo até que ele não seja citado em relatórios internacionais.

O acionista da TV Tem é José Hawilla. O empresário é dono da Traffic, uma empresa de marketing esportivo que tinha contato direto com a venda das cotas de patrocinadores nas transmissões futebolísticas. Além da Copa do mundo no Brasil também são investigados outros campeonatos, como a Copa América e a Copa Libertadores.

José Hawilla se declarou culpado ao FBI e aceitou devolver quase 500 milhões de reais.

Publicidade

O dinheiro ficará guardado pelo governo americano até que sejam identificados os possíveis lesados na ação. Juridicamente ele é acusado de corrupção, lavagem de dinheiro e tentativa de enganar a justiça. Nessa semana Hawilla recebeu mais uma condenação, dessa vez por fraude bancária.

Além de Hawilla, outros membros da Fifa já foram presos. Ainda não foi informado pela mídia qual seria a expectativa de condenação dos cartolas, mas essa pena pode variar, já que pelo menos seis deles já se declararam culpados e estão ajudando a identificar novos nomes envolvidos no esquema.   #Televisão #Crise