O #Estado Islâmico reinvindica a autoria de atentado contra mesquita no Iemen. O reconhecimento aconteceu neste sábado (20). O comunicado foi divulgado nas televisões árabes e transmitido para todas as emissoras ocidentais. Seus participantes consideram que é mais uma forma de amedrontar os ocidentais e provocar o pânico nos locais atingidos.

Somado ao Al-Qaeda e ao Boko Haram, eles já provocaram um sem número de mortes e anunciam uma escalada nas ações terroristas que preocupam o ocidente. Em seus alvos estão incluídas instalações americanas e de outros países europeus que formam uma frente de protesto contra as suas ações.

Publicidade
Publicidade

O Estado Islâmico se torna presença constante no noticiário mundial. Notícias recentes provenientes do Departamento de Estado dos Estados Unidos apontam que ele se apresenta como o grupo mais ativo e supera a Al-Qaeda. O aumento se deve às práticas consideradas perfeitas de recrutar militantes, principalmente entre os jovens estrangeiros.

A estratégia considerada quase perfeita em arquitetar ataques o coloca como um perigo constante e leva o grupo a liderança do #Terrorismo mundial. O uso das redes sociais de modo efetivo é apontado como outra razão para esta posição. Os seus ataques são letais.

O ataque de autoria reinvindicada ocorreu contra uma mesquita situada no centro histórico de Sana. Foram verificadas três pessoas mortas e duas feridas. O atentado utilizou a técnica do "carro bomba" que explodiu nas proximidades da mesquita onde muçulmanos xiitas oravam.

Publicidade

Segundo declarações do grupo o carro foi explodido em um templo onde estavam infieis à causa do Islã. O local assinalado foi a porta Baab Sl Sabah na cidade velha. É mais um atentado a ser contabilizado e as pessoas se perguntam, cada vez com maior frequência, se a maior potência do mundo não tem condições de terminar de uma vez por todas com estas ocorrências.

Há um aumento de mais de 40% de ações terroristas e cresce o número de pessoas mortas. Em sua maioria estas pessoas são inocentes e que nada têm a ver com as brigas entre diferentes facções, no mundo árabe.