Os membros da equipe econômica do #Governo da presidente Dilma, parecem não se importar muito com a investigação a que estão submetidas as contas públicas referentes a 2014. Conforme divulgado pelo jornal Folha deS. Paulo, as chamadas "pedaladas" fiscais, manobras praticadas pelo governo para maquiar o orçamento federal e ludibriar o mercado financeiro, continuam acontecendo em 2015, embora o TCU condene essa prática, proibida por lei, e tenha dado 30 dias para que a presidente explique as contas do ano passado.

Conforme determinado em lei, o poder público deve repassar a Caixa Econômica, Banco do Brasil e BNDES, o dinheiro necessário a fazer frente a compromissos como pagamento do Bolsa Família, Seguro Desemprego e o programa Minha Casa, Minha Vida, entre outros pacotes de bondade do governo Dilma. No entanto, só no primeiro trimestre de 2015, o Tesouro já acumula uma dívida de mais de 2,6 bilhões de reais com a Caixa, e 16,5 bilhões de reais, com o Banco do Brasil. Este último, responsável pelo financiamento de crédito agrícola. Ao BNDES ( banco de fomento ) devia, até o final do ano passado, a bagatela de 26,2 bilhões de reais, valor que técnicos do governo, garantem que cresceu em 2015.O TCU calculou que, até junho do ano passado, a dívida com os três bancos mais o FGTS, somam R$ 40 bilhões.

O artifício de atrasar o repasse do dinheiro, torna o desempenho das contas públicas menos ruim, em um momento que, além do governo não conseguir cortar as próprias despesas, acontece uma queda na arrecadação. As pedaladas fiscais são caracterizadas pelo adiamento do pagamento aos Bancos, que utilizam recursos próprios

A permanecer o crescente grau de endividamento, o valor declarado pelo Ministro da Fazenda, Joaquim Levy, como superavit, ou seja, a economia de 55 bilhões a ser feita pelo governo, não vai ser suficiente para pagar o que deve aos bancos e cumprir com o pagamento das novas despesas.

Caso o Tribunal de Contas da União, TCU, não aceite as explicações referentes às distorções analisadas por ele, encaminhará a matéria para o Congresso com a recomendação que as contas da presidente sejam rejeitadas, fato inédito no Brasil. Isso por si só, pode embasar um pedido de impeachment de Dilma#Legislação #Dilma Rousseff