#Eduardo Cunha se encontrou com Ricardo Lewandowski, presidente do STF, e os dois ficaram conversando por quase uma hora. O assunto foi o pedido enviado para a Corte de interromper a ação penal que tem como réu Julio Camargo. Semana passada, o lobista afirmou que Cunha pressionou Fernando Soares, envolvido no Petrolão, a receber US$ 5 milhões. Logo depois Cunha anunciou rompimento com o governo.

Cunha ganhou o prazo de cinco dias para dar informações sobre a denúncia. E a sua conversa com Lewandowski tratou sobre isso: o presidente da Câmara deseja que o prazo seja aumentado. Segunda (20), advogados de Cunha enviaram ao Supremo Tribunal Federal uma reclamação sobre o Juiz Sérgio Moro.

Publicidade
Publicidade

Até agora, a sua defesa solicita que a ação seja cancelada e deseja que atos praticados durante o processo, como os efeitos da denúncia, sejam declarados nulos.

O encontro dos dois aconteceu terça-feira (21) e, ao lado de seu advogado Antonio Fernando de Souza, ex-procurador-geral da República, Cunha pediu que Lewandowski tivesse pressa para decidir sobre a suspensão da denunciada #Corrupção na contratação de navios-sonda feita pela Petrobras. Cunha deseja que o processo seja suspenso na Justiça do Paraná e então seja enviado ao Supremo Tribunal Federal. 

Após pedido de Cunha, STG solicitou informações a Moro 

Após a conversa, Lewandowski fez o pedido de informações a Sérgio Moro. O juiz é responsável por conduzir a Operação Lava Jato. A reclamação feita por Cunha  por afirmar que a 13ª Vara Federal de Curitiba fez "usurpação de competência".

Publicidade

A defesa de Eduardo Cunha insiste que o que aconteceu foi uma "verdadeira anomalia jurídica", pois os depoimentos de Camargo que citaram o presidente da Câmara descumpriram a regra de que atos de um parlamentar sejam feitos em frente ao Supremo. O objetivo deles é anular as ações do lobista Fernando Soares, de Alberto Youssef, Camargo e do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró

Após ter sido acusado, Eduardo Cunha disse que Rodrigo Janot obrigou o lobista a contar mentiras na delação premiada em uma ação conjunta com o Planalto. Ele continua negando todas as informações.