Os aposentados no Brasil não são muito bem tratados e a grande maioria vive com apenas um salário mínimo. Ontem (29/07) a Presidente #Dilma Rousseff vetou o texto que pretendia corrigir o salário mínimo para todos os aposentados brasileiros. A decisão, que foi publicada no Diário Oficial da União de hoje, já era esperada. O Congresso Nacional tinha aprovado o aumento no começo do mês de julho, mas a presidente já tinha sinalizado que não aprovaria o texto e assim o fez.

De acordo com a Rádio Gaúcha, o Ministro da Previdência Social já tinha se manifestado contrário a essa correção, pois inviabilizaria a Previdência e geraria gastos extras na ordem dos R$ 10 bilhões anuais.

Publicidade
Publicidade

Com a decisão de Dilma Rousseff o texto volta para o Congresso Nacional para que seja revisado e votado novamente.

Batata Quente

Com a popularidade em baixa e com vários congressistas contrários ao seu estilo de governar, a Presidente do Brasil está com diversas "batatas quentes" na mão. O jogo de empurra está só começando e 2015 promete ser um ano ruim não só para a economia, mas para a pauta política de Dilma. Outros textos polêmicos ainda estão por vir e a intenção dos contrários a presidente é justamente deixá-la de "calças curtas" politicamente e carregando a culpa por vetos delicados.

Dilma Rousseff tinha que cumprir o prazo até ontem e o fez. A ideia inicial da proposta era que até 2019 a política de valorização do salário mínimo fosse prorrogada, mas quando o projeto chegou a Câmara Federal os Deputados, em uma manobra política que visa um enfraquecimento ainda maior da imagem de Dilma Rousseff, resolveram incluir as aposentadorias, benefícios pagos pela Previdência Social e pensões para quem ganha mais de um salário mínimo.

Publicidade

Dessa forma, a proposta se tornava inviável e quase impagável a longo prazo.

Eliseu Padilha, aliado político de Dilma e ministro-chefe da Secretaria de Aviação Civil, afirmou que "a conta é impagável". Já Eduardo Cunha, que talvez seja hoje o maior dissidente político da presidente, afirmou que o veto de Dilma Rousseff foi um ataque aos trabalhadores.

Operação Lava-Jato

Com a imagem arranhada e com a maior operação da história da Polícia Federal em andamento, os dias tem sido longos para a presidente. Em recente declaração ela afirmou que a queda de 1% no PIB seria resultado da Lava-Jato. Leia mais clicando aqui.

Outro que está em maus lençóis é o ex-presidente Lula. Considerado o próximo alvo da Operação Lava-Jato, Lula da Silva se diz perseguido. As denúncias feitas por Léo Pinheiro, executivo da OAS, mostram o envolvimento do ex-presidente em desvios de verbas públicas segundo reportagem da Revista Veja. Leia a reportagem completa clicando aqui. #Governo #Corrupção