O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva vem sendo investigado pelo suposto tráfico de influência internacional, em favorecimento da Construtora Odebrecht, um dos alvos da Operação #Lava Jato e que já teve um de seus diretores presos.

A novidade no caso é que a defesa do ex-presidente #Lula entrou na sexta-feira (17) com um pedido de suspensão do inquérito aberto pelo Ministério Público. O pedido foi encaminhado ao Conselho Nacional do Ministério Público.

A alegação da defesa é de que o procurador Valtan Timbó Furtado interferiu na apuração que estava sob a responsabilidade da procuradora Mirella de Carvalho Aguiar, que está de férias.

Publicidade
Publicidade

A procuradora integra o 1º Núcleo de Combate à Corrupção do MPF do Distrito Federal, e a sua atuação no caso foi feita por sorteio. No pedido de suspensão consta que o argumento que o procurador usou para pedir a instauração do processo, é falso: a aproximação do prazo de tramitação. Além disso, a defesa afirma ainda que Valtan Timbó Furtado não integra os órgãos do MP que estariam aptos a conduzir a investigação na ausência de Mirella. Os advogados alegam que houve "violação dos deveres funcionais", por parte de Furtado.

Deputado diz que inquérito contra Lula é manobra

O deputado Paulo Teixeira (PT-SP), que é ex-líder do PT na Câmara, afirmou categoricamente que o inquérito conta o ex-presidente Lula é manobra do procurador Valtan Timbó Furtado, para conseguir se blindar dentro da Procuradoria da República.

Publicidade

A declaração foi dada ao site Congresso em Foco.

Para o deputado, a intenção do procurador não é necessariamente a de prejudicar o ex-presidente, mas sim de garantir a sua proteção, como na suposta situação: "se eu for afastado, é porque eu abri esse inquérito", disse Paulo à reportagem do site. O procurador já está sob investigação, em dois processos disciplinares no Ministério Público.

De acordo com Teixeira, que também á advogado, O inquérito pode ser considerado nulo, uma vez que o procurador invadiu competências e que Lula deve mesmo tentar anular o inquérito, além de protocolar uma representação no Conselho Superior do Ministério Público.