Em declaração na manhã desta quarta-feira (8), o ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Miguel Rossetto, afirmou ter confiança de que as contas do governo, que estão sob análise do TCU (Tribunal de Contas da União), serão aprovadas pelo tribunal. "Estamos absolutamente confiantes por conta da qualidade e da legalidade de todos os atos do #Governo", afirmou.

Após identificar irregularidades nas contas de 2014, o TCU pediu que o governo desse as devidas explicações para os questionamentos apresentados. O prazo para que o Executivo encaminhe as respostas se encerra no próximo dia 22.

Seguindo a linha do discurso apresentado pela presidente Dilma Rousseff em entrevista dada essa semana ao jornal Folha de S.Paulo, Rossetto acusou os opositores do #PT de exibir "atitudes golpistas", principalmente o senador Aécio Neves.

Publicidade
Publicidade

Para o ministro, a oposição estaria buscando romper o princípio da "legalidade democrática".

Apesar do otimismo de Rossetto, fontes afirmam que o Planalto já espera uma derrota no julgamento das contas pelo TCU. Prevendo esse cenário, o governo federal já estaria se movimentando nos bastidores para a sensibilização de aliados contra a possível abertura de um processo de impeachment da presidente Dilma.

Uma das primeiras medidas nessa direção foi a instauração da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) no Senado Federal, com a convocação dos ministros Nelson Barbosa, do Planejamento, e Luís Inácio Adams, advogado-geral da União. A ideia é que ambos possam trazer suas explicações a respeito das chamadas "pedaladas fiscais" praticadas pelo governo, o principal ponto questionado pelo TCU nas contas federais.

Publicidade

Para o presidente da CAE, o senador Delcídio Amaral (PT-MS), a comissão é uma ótima oportunidade para que a situação se esclareça e as dúvidas em relação ao governo cessem.

Na terça-feira (7), Barbosa e Adams já haviam apresentado seus argumentos de defesa à base do PT na Câmara dos deputados. No encontro, ambos reforçaram que casos semelhantes aos das irregularidades questionadas já haviam sido aprovados pelo TCU em anos anteriores.