De acordo com o Jornal Estadão, o Ministério Público Federal tem provas de que as duas maiores empreiteiras do Brasil, a Odebrecht e a Andrade Gutierrez, pagaram mais de R$ 600 milhões em propinas. As empreiteiras teriam feitos os pagamentos em troca de contratos bilionários na #Petrobras. Na última sexta-feira (24) investigadores da Operação #Lava Jato denunciaram criminalmente os presidentes das construtoras.

Segundo os responsáveis pela operação, Marcelo Bahia Odebrecht (Odebrecht) e Otávio Marques de Azevedo (Andrade Gutierrez), que estão presos desde junho e mais 20 investigados tem muito o que dizer ao Ministério Público Federal sobre a Petrobras, o petrolão e o gigantesco esquema de #Corrupção dentro da petrolífera.

Publicidade
Publicidade

A acusação para os suspeitos e acusados vão desde organização criminosa, corrupção ativa e corrupção passiva até lavagem de dinheiro. Alguns deles já estão presos preventivamente desde o dia 19 de junho, quando a 14ª fase da Operação Lava Jato - batizada Erga Omnes, foi deflagrada. Na denúncia contra a Andrade Gutierrez são 13 acusados. Eles teriam sido responsáveis por 167 atos de corrupção, no total de R$ 243 milhões, e 62 atos de lavagem de dinheiro, envolvendo um montante de R$ 6,79 milhões e US$ 1 milhão.

Já na denúncia contra a Odebrecht são 13 os denunciados. Segundo as investigações são 56 atos de corrupção, no total de R$ 389 milhões, e 136 atos de lavagem, no total de R$ 1 bilhão. Os responsáveis pela Operação Lava Jato afirmam que são mais de R$ 7 bilhões buscados para ressarcimento da União.

Publicidade

A denúncia contra a Andrade Gutierrez envolve obras em oito unidades da Petrobras. São elas: Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), a Refinaria de Paulínia (Replan), em São Paulo, as obras no Cenpes (centro de pesquisa da estatal), no Rio de Janeiro e o Gasoduto Urucu-Manaus. O montante total em obras passa dos R$ 8 bilhões.

A Odebrecht, segundo a denúncia, estaria envolvida em desvios de dinheiro na construção do edifício sede da Petrobras, em Vitória (ES). Também consta um contrato da Braskem de compra de nafta da Petrobras e os contratos em refinarias e no Comperj. As denúncias falam em esquema de cartel e já foram denunciadas na Lava Jato.

Partidos Políticos estão envolvidos 

A operação aponta que o PT, PMDB e PP revesavam diretorias na estatal. Ocupando tais cargos arrecadavam de 1% a 3% dos valores dos contratos bilionários fechados com empreiteiras citadas. O procurador da República Deltan Dallagnol afirmou: "Nos aproximamos da verdade por meio de provas e documentos".

Publicidade

Documentos e extratos bancários vindos da Suiça comprovam os altos valores pagos em propina pela Odebrecht. O MPF afirma já estar de posse de todos os documentos e que as denúncias estão sendo analisadas. De acordo com o delegado da Polícia Federal, Eduardo Mauat da Silva, há um trabalho muito grande sendo feito. "É profissional e técnico, embate de ideias, trabalho na técnica[...]. Esperamos que a operação (Lava Jato) não seja mais uma em que as pessoas são presas, condenadas e o dinheiro recuperado, mas não haja mudança da mentalidade" -  afirmou o Delegado para o Jornal Estadão.

O procurador da República Deltan Dallagnol, que trabalha na Operação Lava Jato, afirmou na última sexta-feira (24)  que já foram recuperados mais de R$ 800 milhões aos cofres públicos. Ainda de acordo com o procurador o Brasil passa por "um momento histórico". Deltan Dallagnol afirmou que um montante tão alto em desvios deixa uma marca na segurança, na educação e na saúde. Também afirmou que apesar dos valores desviados serem enormes, o valor recuperado também é gigantesco e que o país jamais viu uma operação tão grande.

O juiz federal Sérgio Moro irá analisar todas as denúncias e até a próxima semana decidirá se abre ou não um processo contra os acusados.