O assunto das principais manchetes do país ontem foram sobre o rompimento do presidente da Câmara Eduardo Cunha com o governo da presidente Dilma Rousseff. Agora, um dia depois do rompimento, ele afirmou que não existe pauta de vingança contra o Planalto. Também afirmou que não busca apoio da oposição e nem de seu partido, PMDB, após a mudança.

Eduardo Cunha destacou que continuará fazendo a condução de seu trabalho da mesma maneira que antes, com harmonia e independência em relação aos demais Poderes. Após a mudança de seu alinhamento político, ele insiste que não há uma pauta de vingança. As afirmações foram feitas por meio de sua conta oficial no Twitter na tarde de hoje (18).

Publicidade
Publicidade

Ruptura com o governo

A ruptura de Cunha com o #Governo aconteceu após ele ser acusado de receber 5 milhões de dólares de propina no Petrolão. Quem fez a acusação foi Julio Camargo. O presidente da Câmara afirma que petistas foram os responsáveis por incentivar as investigações sobre ele ter sido beneficiado sobre o esquema. 

Governo espera imparcialidade de Cunha

Após o rompimento de Cunha com o governo petista, a Secretaria de Comunicação da Presidência da República divulgou nota afirmando que espera-se que essa postura não seja refletida em suas ações e decisões. De acordo com a Secretaria, as atitudes do presidente da Câmara devem ser feitas com "impessoalidade e imparcialidade".

Na mesma nota, o governo afirmou que o Brasil está passando por um momento de "importantes desafios" e que os três Poderes devem agir de maneira razoável, equilibrada e comedida para formular políticas públicas e leis.

Publicidade

Aécio afirma que ruptura piora quadro político do Brasil

Aécio Neves (PSDB-MG), senador e segundo mais votado à presidência em 2014, afirmou que seu partido acompanha com preocupação a deterioração do quadro político do Brasil. Ele também disse defender que todas as denúncias de #Corrupção sejam investigadas.

Aécio e o PSDB não deram nenhuma declaração direta em defesa de Cunha. O PMDB, partido do presidente da Câmara, afirmou que continuará apoiando o governo petista, pois ainda faz parte dele. Nenhum outro partido da oposição saiu em defesa de Cunha, e sim apenas afirmaram que o rompimento era algo que piorava a crise do país#Dilma Rousseff