Em Nova York nesta segunda-feira (20) cumprindo agenda com investidores locais, o vice-presidente brasileiro Michel Temer fez questão de diminuir a importância política da ruptura entre o presidente da Câmara dos Deputados, #Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e o governo Dilma. Questionado por repórteres brasileiros presentes nos Estados Unidos, Temer chegou a afirmar que tudo não passava de uma "crisezinha".

"Na verdade, o que até realmente existe no país é uma crisezinha política motivada pelo posicionamento tomado pelo presidente Eduardo Cunha, mas não se trata de uma crise institucional. Assim, se revela o momento em que o Brasil vive, onde a crise política não interfere na tranquilidade institucional, ainda que haja alguns embaraços", avaliou Temer.

Publicidade
Publicidade

Na sexta-feira (17), Cunha anunciou oficialmente o seu rompimento com o governo comandado por #Dilma Rousseff e fez questão de ressaltar que faria oposição à tal gestão. O ato foi encarado como um gesto de represália, uma vez que no dia anterior um dos delatores da Operação Lava-Jato e membro da empresa Toyo Setal, Júlio Camargo, garantiu que Cunha havia solicitado propina no valor de R$ 5 milhões - negado veementemente pelo peemedebista.

Para Cunha, a manobra foi idealizada pelo Palácio do Planalto em articulação com a Procuradoria-Geral da República. Ele acusa Rodrigo Janot, o procurador-geral, de querer incriminá-lo junto aos demais políticos envolvidos nos desmembramentos da operação.

Precavido com relação aos interesses do seu partido, Michel Temer, que também é peemedebista, relembrou que a decisão do deputado foi de ordem "pessoal", em uma fala que vai no mesmo tom da nota oficial divulgada pelo PMDB na sexta-feira.

Publicidade

"Ele fez questão, inclusive, de registrar esse fato. De registrar que era de cunho pessoal. Exclusivamente pessoal, ponto. E o próprio partido já se manifestou nesse sentido, afirmando que se tratando de algo pessoal não significará o afastamento de todo o partido. Significa somente o afastamento dele, e nada mais do que isso", finalizou o vice-presidente. #Lava Jato