A viagem da presidente Dilma para os Estados Unidos parece que começa a acenar de forma positiva e concreta para os brasileiros.Conforme divulgado pelo jornal Folha de S.Paulo, a presidente brasileira e o presidente americano, Barack Obama, anunciaram nesta terça-feira (30), em Washington, acordo que coloca o Brasil no programa Global Entry, até o fim do primeiro trimestre de 2016.

O Global Entry é um programa americano, disponível em 40 aeroportos do país, que tem como objetivo agilizar a entrada de estrangeiros nos Estados Unidos. Está voltado para viajantes frequentes, principalmente empresários, que há tempos demandam por esse benefício, como forma de facilitar os negócios.

O programa, que não dispensa o visto de entrada, funciona da seguinte forma: viajantes pré-aprovados, participantes do Global Entry, passam por quiosques de auto-atendimento, em seguida passam pela imigração, geralmente com filas menores, onde mostram o passaporte, e depois liberam a bagagem.

Se esse passo entre os dois países ainda não é o desejado pelos brasileiros, chegamos mais perto de realizar o sonho de todos aqueles que gostam de viajar para a América e, muitas vezes, têm o pesadelo de ver o visto recusado pelo Consulado Americano. Obama e Dilma afirmaram que continuam estudando formas para viabilizar o cumprimento dos requisitos para o Programa de Dispensa de Vistos dos Estados Unidos, facilitando as viagens dos cidadãos brasileiros e americanos entre os dois países. Concretamente, ainda não há, nem de longe, data para que isso aconteça.

Uma outra medida divulgada pela presidente Dilma tem a ver com a Previdência dos países. Tanto imigrantes brasileiros como americanos poderão contar o tempo de contribuição efetuada em cada um dos países no momento de solicitar a aposentadoria.

O ponto alto do encontro entre Obama e Dilma, provavelmente, foi o comunicado de estabelecimento de metas do Estados Unidos e Brasil no que se refere a contenção do aquecimento global e que deverão ser apresentadas em Paris, na Conferência do Clima (COP-21), em dezembro próximo. #Dilma Rousseff #EUA