Com a confirmação de que o presidente do Congresso Nacional, senador Renan Calheiros (PMDB/AL), convocou sessão para o dia 02/09 (próxima quarta-feira) para deliberar sobre o veto presidencial 26/2015 ao PLC 28/2015, que reajusta os salários dos servidores do Poder Judiciário da União, os 33 sindicatos da base da Fenajufe (Federação Nacional dos Trabalhadores do Judiciário Federal), em assembleias realizadas nos estados, deliberaram enviar caravanas a Brasília para lutar pela rejeição ao veto presidencial.

A decisão dos sindicatos foi norteada pela orientação do Comando Nacional de Greve da categoria, que se reuniu em Brasília no dia 26/08, e deliberou que a greve dos servidores do Poder Judiciário Federal deverá continuar até a derrubada do veto.

Publicidade
Publicidade

Convocação foi conseguida na pressão

Para a direção da Fenajufe, a convocação da sessão conjunta da Câmara e do Senado só ocorreu devido a forte pressão exercida pela categoria, que durante várias semanas tem feito protestos em frente ao Congresso Nacional, com a participação média de 15 mil manifestantes.

Segundo Adilson Rodrigues dos Santos, coordenador geral da Fenajufe, somente com a pressão da categoria sobre os parlamentares o veto será derrubado. Ainda segundo Adilson, mais de 340 deputados e 55 senadores deverão votar a favor da derrubada do veto presidencial. Sobre a argumentação do #Governo de que não é possível conceder o reajuste pretendido pelos servidores, Adilson afirma que “a categoria não recebe reajustes há nove anos. Insistimos na negociação. Dinheiro tem, o problema é a prioridade política do governo".

Publicidade

Governo prioriza pagamento de juros

Para a rejeição do veto presidencial, os servidores contam com o apoio de parlamentares da oposição, desde partidos com tendência política considerada de “esquerda”, como o PSOL, a partidos considerados de “direita”, como o PSDB.

Segundo o deputado Ivan Valente (PSOL/SP), o governo decide priorizar um ajuste fiscal que prejudica os trabalhadores. Para Valente, quem controla o orçamento e a política econômica no Brasil é o capital financeiro. “A proposta orçamentária privilegia rentistas da dívida pública, não contempla aumento real para aposentadorias, nem repõe perdas aos servidores públicos”, afirma.

O Senador Álvaro Dias (PSDB/PR) é favorável a derruba do veto presidencial. Na defesa dos servidores do judiciário, em pronunciamento oficial no Senado, Álvaro afirmou que “não são os servidores da #Justiça Federal os responsáveis pela crise que há no país. Se há um grande responsável, este é o governo, que cometeu equívocos”.

Caravanas rumam para Brasília

Se nas semanas anteriores os protestos dos servidores do Judiciário Federal oscilavam numa participação entre 10 e 15 mil manifestantes, o ato convocado para esta quarta-feira (02/09) tem expectativa dos organizadores de ser ainda maior.

Publicidade

Desde hoje (31/08), as caravanas já estão se deslocando dos estados para Brasília, onde se juntarão aos servidores do Distrito Federal e juntos prometem pressionar os parlamentares, desde a chegada a Brasília, já no aeroporto. Em alguns casos, o trabalho de pressão já começou nos estados, com reuniões nos escritórios regionais de deputados e senadores.

Manobras podem derrubar a sessão

Mesmo com a grande quantidade de servidores pressionando o Congresso Nacional, os servidores permanecem apreensivos. As lideranças sindicais afirmam que o momento é delicado, porque mesmo estando convocada a sessão, não existem garantias da efetiva votação. Manobras regimentais podem impedir sua realização, mas os dirigentes esperam que a pressão dos servidores seja suficiente para sensibilizar os congressistas, favorecendo um cenário pela derrubada do Veto 26/2015. #Crise econômica