Poucos dias após ter sido reconduzido ao cargo pela presidente Dilma Rousseff e ter passado pela sabatina do Senado, Rodrigo Janot arquivou o pedido de investigação de Gilmar Mendes sobre a VTPB, gráfica fantasma denunciada pelo Antagonista, o que causou um grande mal-estar dentro do STF e do TSE. Rodrigo Janot após arquivar o caso soltou uma nota com seus argumentos: "Não interessa à sociedade que as controvérsias sobre a eleição se perpetuem: os eleitos devem poder usufruir das prerrogativas de seus cargos e do ônus que lhes sobrevêm, os derrotados devem conhecer sua situação e se preparar para o próximo pleito". Disse também que a prestação de contas de Dilma Rousseff já foi aprovada e que o prazo para questionar irregularidades acabou.

Publicidade
Publicidade

Entretanto o TSE já havia se decidido pela reabertura do processo, a pedido do Ministro Gilmar Mendes. Em declaração neste domingo (30) ao Antagonista Gilmar Mendes disse que a "pacificação social proposta por Rodrigo Janot em seu parecer é a tentativa de criar uma espécie de doutrina Dilma", pela qual a Justiça Eleitoral deixa de ter qualquer relevância. Mais tarde procurado pela Folha de São Paulo deu novas declarações, fato este que mostra bem o tamanho do mal-estar causado pela decisão de Rodrigo Janot, disse o Ministro Gilmar Mendes: “Rodrigo Janot deveria ater-se mais a instituição e não agir como advogado da presidente Dilma Rousseff”. O ministro disse ainda que tem a convicção da necessidade de investigar a VTPB Serviços Gráficos Ltda. que recebeu cerca de R$ 23 milhões do PT por santinhos e outros materiais impressos, independente da questão eleitoral.

Publicidade

A oposição também se manifestou, na Câmara dos Deputados, #PSDB, PPS , SD e DEM divulgaram uma nota em que dizem: “Causou grande estranheza nas Oposições os termos da decisão assinada pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, determinando o arquivamento do pedido de investigação referente às contas da campanha da presidente da República, Dilma Rousseff. Não obstante os fortes indícios de irregularidades apontados, o despacho do procurador parece querer dar lições ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) e às Oposições.”

O Ministro João Otavio de Noronha, corregedor do TSE tem prazo ainda para emitir seu voto em ações que correm na justiça eleitoral e que foram movidas pelo PSDB contra a campanha de Dilma Rousseff.

A Presidente Dilma Roussef já havia manifestado sua preocupação quando a maioria do Tribunal Superior Eleitoral votou pela reabertura do processo que pede sua cassação, cerca de duas semanas atrás. #Governo #Crise