A crise política e econômica que passa o Brasil promete levar milhares de pessoas às ruas nas próximas semanas. Diversas entidades organizam uma paralisação para o dia 16, um domingo. O protesto pedirá a renúncia da presidente Dilma Roussef. A CUT, Central Única dos Trabalhadores, e o PT, Partido dos Trabalhadores organizam para quatro dias depois outra manifestação. A ação será realizada em uma quinta-feira, no dia 20. Esse protesto, diferente do primeiro, será pró-governo, mas depende justamente do andamento das reivindicações antigoverno. Um dos partidos que encabeça o protesto pedindo o impeachment da presidente é o PSDB. A legenda é presidida pelo senador por Minas Gerais, Aécio Neves.

Publicidade
Publicidade

Cobertura da mídia

Segundo o Terra, para acompanhar os protestos, diversas emissoras do Brasil e do mundo devem mudar sua programação. As mudanças também dependem do tamanho dos protestos. A Rede Globo de #Televisão mobilizará equipes no Rio de Janeiro e em São Paulo. Diferentemente do que aconteceu no passado, os repórteres da emissora carioca terão seguranças á paisana. Desde os protestos de junho de 2013, equipes da rede de TV tem sido coagidas durante as reivindicações. A ação dos seguranças será principalmente em áreas de grande concentração. O Logotipo da Globo também não será usado pelas equipes da emissora. Jornalistas vão precisar entrar ao vivo com microfones sem canopla e até mesmo de celulares. A TV aposta em nomes desconhecidos para ficar no meio da multidão.

Publicidade

Já os repórteres mais experientes devem usar helicópteros e ficarem em cima de prédios alto, garantindo assim a segurança desses profissionais.

Clima no governo

De acordo com fontes ligadas ao Palácio do Planalto, o setor de comunicação do governo estaria avaliando como extensas as próximas manifestações. A prisão de José Dirceu, que no passado fez parte do governo do presidente Lula e as taxas cada vez maiores de insatisfação do governo Dilma Roussef alimentariam esses protestos. A ordem é que a presidente não menospreze nem antes, nem depois, a extensão das reivindicações. #Entretenimento #Famosos