Conforme o portal G1, Gilmar Mendes, ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), enviou nesta sexta feira, 21, informações sobre a prestação de contas da campanha eleitoral, de 2014, da presidente Dilma Rousseff, à Polícia Federal e Procuradoria Geral da República a fim de que sejam investigadas eventuais irregularidades.

O ministro fundamenta sua solicitação baseado no fato de que dados da operação Lava Jato indicam que o dinheiro recebido pelas empreiteiras contratadas pela Petrobras, supostamente, foram repassados ao PT, em forma de propina, disfarçados de "doação" ao partido e à campanha presidencial. Outro modo de devolução de dinheiro foi através do financiamento de publicidade.

Publicidade
Publicidade

Dessa forma, segundo Gilmar Mendes, há indícios que houve entrada irregular de recursos públicos e saída camuflada como gastos de campanha.

Os dados da prestação de contas da campanha foram enviados, pelo ministro, também para a Corregedoria eleitoral do TSE e Receita Federal, para seja avaliado se o PT cometeu alguma irregularidade quando da apresentação das informações das contas do ano passado. Mendes afirma que o PT foi financiado pela Petrobras, o que contraria a legislação eleitoral.

O ministro afirma ainda que cruzamentos efetuados entre documentos sigilosos contidos nos autos da operação que investiga a corrupção na Petrobras mostram que empresas investigadas na #Lava Jato como UTC, Andrade Gutierrez, OAS, Odebrecht e Queiroz Galvão, fizeram vultosas doações ao diretório do PT. Essas empreiteiras doaram ao partido, R$ 47,5 milhões para a campanha de reeleição de Dilma.

Publicidade

Além da questão do recebimento de dinheiro de propina pelo partido e pela então candidata, há um outro ponto duvidoso contabilizado nas contas da campanha. A candidata Dilma firmou contrato com empresas que, supostamente, não teriam capacidade de entregar os serviços para o qual foram contratadas. Um exemplo é a Focal, segunda maior fornecedora da campanha, que recebeu mais de R$ 24 milhões.

Já para Edinho Silva, ministro da Comunicação Social e coordenador financeiro da campanha eleitoral da candidata Dilma, todas as contas foram apresentadas ao TSE, que após rigorosa análise, foram aprovadas, por unanimidade.

O PT informou que todas as doações recebidas durante a campanha eleitoral seguiram os estritos parâmetros legais.

 

  #Dilma Rousseff