O clima realmente parece estar tenso para o senador por Minas Gerais, Aécio Neves. O representante do #PSDB está sendo acusado de enviar e-mails pedindo dinheiro para empresários e famosos. O senador nega e se diz surpreso com os tais e-mails. Ele mesmo teria pedido para que a polícia federal abra uma investigação sobre o caso. De acordo com informações do colunista Lauro Jardim, da Veja, em publicação realizada nesta sexta-feira, 28, o primeiro a informar o político sobre os e-mails foi Jorge Gerdau, um dos maiores empresários do Brasil. Jorge ligou para Neves e perguntou se era realmente aquele valor que ele queria.

Sem entender o que estava acontecendo, #Aécio Neves perguntou sobre o que Jorge Gerdau estava falando.

Publicidade
Publicidade

O empresário então disse que recebeu um e-mail do senador pedindo uma alta quantia em dinheiro para ajudar a ele e ao PSDB nessa má fase. O político então se mostrou surpreso e disse que não tinha mandado nada para Gerdau. Jorge então disse que na correspondência eletrônica, havia um pedido de depósito de R$ 200 mil (duzentos mil reais). A colaboração repentina e exagerada foi recebida com estranheza por Gerdau, mas ele não foi o único a receber o tal e-mail. 

O dono da BTG Pactual, André Esteves, também recebeu o mesmo e-mail. A quantia pedida para ele, no entanto, não foi revelada. Até famosos, que vivem na roda das fofocas, como o pai do atacante do Barcelona Neymar Junior, Neymar Santos, também receberam a correspondência eletrônica. Segundo a Veja, o mesmo aconteceu com outros nomes conhecidas. 

Ao saber da novidade, Aécio Neves, que recentemente foi acusado pelo doleiro Alberto Yousseff de receber propina do dinheiro da corrupção desviado da Petrobrás, decidiu logo ligar para a polícia federal.

Publicidade

O senador entrou em contato com Leandro Daiello, diretor-geral da instituição federal. Aécio pediu que uma investigação fosse aberta para descobrir quem é que está por trás dos tais e-mails. Nas redes sociais, os partidários do PSDB já acusam o PT de terem enviado os e-mails. O Partido dos Trabalhadores não se pronunciaram sobre o episódio.