Quem assiste à Rede Globo de Televisão pode ficar confuso quando o assunto é a política editorial do maior canal de televisão aberto do país. Hora a emissora parece estar mais pró-governo, esquecendo de falar de diversas investigações que envolvem o Partido dos Trabalhadores, o #PT, já em outros momentos os que acompanham a trajetória da emissora dizem que a única coisa que mudou é que a televisão abriu os olhos, preferindo defender menos a legenda tucana, o #PSDB. Basta assistir aos telejornais da casa para perceber que a Globo está batendo menos no PT. Até discursos de Dilma, todos em tom de esperança, estão sendo exibidos dentro do 'Jornal Nacional', e com espaço considerando nobre.

Publicidade
Publicidade

Alguns chegam a ter mais de um minuto, algo raríssimo no produto exibido às 20h30 no horário de Brasília.

Nesta sexta-feira, 28, não foi diferente. Na manhã, durante o 'Bom Dia São Paulo', a emissora preferiu fechar as persianas de seu estúdio para não mostrar uma manifestação contra o ex-presidente da república Luiz Inácio Lula da Silva. Em comunicado, o canal da família Marinho disse que não pode fazer de seu cenário espaço para palanque, dizendo que o fato de não fechar as persianas poderia abrir um grande precedente, colocando pessoas diariamente levantando faixas, balões e outros utensílios para chamar atenção.

A emissora também disse nessa nota que não tem problemas em mostrar protestos. Para tentar se defender, a Globo respondeu dizendo que o tal boneco inflável de Lula vestido de presidiário foi destaque em outros telejornais, sem falar, é claro, nos outros canais midiáticos da própria Globo, como o G1. 

No entanto, neste sábado, 29, quem apóia o PT ficou irritado com a cobertura que o 'Jornal Nacional' deu a respeito da capa da Revista Época, que disse ter conseguido documentos que provavam a relação de Lula como lobista da Odebrecht em Cuba.

Publicidade

Através de mensagens enviadas por diplomatas, a publicação alega que o ex presidente foi negociador da empreiteira na região e que usou a máquina pública para facilitar o negócio bilionário.