A ministra do Tribunal Superior Eleitoral, Maria Thereza de Assis Moura, solicitou na semana passada, ao senador Tucano, Aécio Neves, informações mais detalhadas sobre as contas de sua última campanha eleitoral para presidente da República em 2014.

De acordo com a assessoria do Tribunal, foram encontrados indícios de irregularidades na prestação de contas da campanha do senador tucano em disputa eleitoral à presidência. 

Segundo o relatório elaborado pela autoridade judiciária eleitoral, estão listados várias infrações e divergências, como inconsistências em datas e sobre os valores das doações que foram declarados ao Tribunal Superior Eleitoral.

Publicidade
Publicidade

As omissões foram feitas pelo próprio candidato e de quem o próprio recebeu as mesmas, também foram omitidas. Foram verificadas ainda a omissão de despesas presentes na base de dados da campanha.

A assessoria do #PSDB emitiu nota declarando que todas as pendências citadas pelos técnicos da Justiça Eleitoral foram corrigidas. As informações solicitadas já foram devidamente prestadas. Segundo o partido, as inconsistências geradas e já corrigidas, foram devido a falhas de digitação e de informações prestadas parcialmente.

As informações de irregularidades já foram devidamente informadas ao senador tucano. De acordo com informações do TSE, a prestação de contas ainda não foi julgada pela Justiça Eleitoral e não há prazo estipulado para a realização do mesmo.

No relatório apurado, aparecem doações feitas dos diretórios estaduais do PSDB diretamente ao senador tucano, que totalizam em torno de R$ 4,08 milhões de reais.

Publicidade

Estas transferências aparecem na prestação de contas de Aécio. Entretanto, não foram registradas na Justiça Eleitoral. O documento mostra ainda que foram doados cerca de R$ 750 mil reais por empresas como Rossi Residencial e Ticket Serviços, mas não foram declarados à Justiça. Divergências são citadas quando do repasse de doações feitas pela empresa Construbase Engenharia. Esta empresa teria doado cerca de R$ 500 mil a vários comitês da campanha. Entretanto, a Justiça Eleitoral considera o valor incompatível com o que foi arrecadado com a campanha do senador do PSDB.

O TSE, em sua análise, relata outro fato grave. A doação de R$ 2 milhões de reais feito ao comitê financeiro de #Aécio Neves pela Construtora Odebrecht. Na prestação de contas à Justiça Eleitoral, o candidato não declarou a transferência do montante.

O próprio Aécio Neves tratou de responder às indagações. Ele afirmou que todas as pendências já foram informadas ao Tribunal Eleitoral. O mesmo frisou o fato de que não está sob nenhum tipo investigação. "Não há nenhuma denúncia, diferente do que ocorre com as contas da presidente da República", afirmou o senador. O partido do senador declarou ainda que os esclarecimentos solicitados pela ministra do TSE fazem parte apenas dos trâmites referentes à fase de instrução, com o único intuito de esclarecer as inconsistências já descritas anteriormente.

  #Corrupção