Quem entrou no Facebook na manhã desta segunda-feira, 07, estranhou uma mensagem da rede social de Mark Zuckerberg. "Esperamos que você aproveite o feriado para descansar e passar o dia junto de seus entes queridos. São os votos de todos nós do Facebook", dizia a fase. A novidade causou estranheza entre os internautas, especialmente porque na data em que se comemora a independência do Brasil, protestos também estão marcados para acontecerem em diversas regiões do país. Em grupos do próprio Facebook, internautas viram o post criado pela empresa de Mark Zuckerberg como uma ação para coibir que mais pessoas fossem às ruas. O frio e a chuva em diversas regiões, como Rio de Janeiro e São Paulo, também ajudou a desestimular que muita gente saísse de casa hoje.

Publicidade
Publicidade

"Estamos vendo uma clara manifestação do Facebook em apoio à presidente da república Dilma Rousseff. Já passamos por vários outros feriados nesse e em outros anos e nunca tinha visto algo do tipo. Sem falar que não é uma mensagem de Feliz Independência ou Feliz Sete de Setembro, mas um claro recado para os internautas não saírem de casa", postou um dos usuários da rede social.

Apesar das ameaças de protestos, a presidente da república Dilma Rousseff não se intimidou em comparecer ao desfile de Sete de Setembro, em Brasília. Ao lado dela, apareceu também o vice, Michel Temer, tentando assim acabar com qualquer polêmica de desentendimento entre os dois. A segurança do desfile foi reforçada por conta de uma ameaça de ataque terrorista publicada por um advogado no Youtube.

Publicidade

A ameaça, entretanto, não mudou o roteiro da festa da independência. 

Próximo ao palácio do planalto, um grupo fez uma manifestação contra o governo de Dilma Rousseff. O boneco inflável do ex-presidente Luiz Inácio Lula ganhou uma companheira. Agora, além do boneco presidiário de Lula, um de Dilma também ganhou destaque nas ruas de Brasília. Já no resto do país, outros grupos fizeram um protesto contra todos os governos, o chamado "grito dos excluídos", que reúne sindicatos e entidades não governamentais #Impeachment