Ele é um dos grandes humoristas de sua geração. Além de estar famoso na web, com seus vídeos do 'Porta dos Fundos', Gregório Duvivier já foi cabo eleitoral da presidente Dilma Rousseff. Ele é considerado ideologicamente de extrema esquerda e causou polêmica ao declarar seu voto na líder política que tem agora uma rejeição histórica. Nesta quarta-feira, 09, Gregório Duvivier deu uma entrevista ao canal 24, emissora de televisão de Portugal. Na rede de TV, ele voltou a se mostrar contrário àqueles que querem que Dilma sofre o impeachment. Como argumento ele utilizou a seguinte frase: "Querem tirar ela para roubar mais".

Além de criticar os adversários de Dilma Rousseff, o comediante que também exerce trabalhos como cronista, acabou fazendo uma crítica ao próprio governo da presidente.

Publicidade
Publicidade

Afinal, se alguém pode roubar mais, é sinal que pelo menos até o partidário de Rousseff insinuou que existe roubalheira do governo do Partido dos Trabalhadores, o PT. 

Gregório questionou na entrevista se só agora as pessoas descobriram que existe corrupção no Brasil. Segundo o comediante, quem está preparando a saída de Rousseff é Renan Calheiros, Aécio Neves e Eduardo Cunha. Ele chamou os três políticos de corruptos e disse que existem provas que enfatizam isso.

O comediante do 'Porta dos Fundos' contou também que esse tipo de mudança seria como limpar o chão com fezes. Duvivier ainda defendeu #Dilma Rousseff, dizendo que por ela ser um dos nomes menos coniventes com a corrupção, estão querendo tirar ela do poder. A presidente enfrenta seu pior momento no governo. Apenas 7% dos brasileiros dizem que acham o governo dela bom ou ótimo.

Publicidade

Enquanto isso, agências internacionais que controlam o mercado rebaixaram a credibilidade do Brasil e de diversas empresas. O rebaixamento significa que o país e as companhias passam a deixar de ser vistos como bons pagadores. Dentre as empresas relacionadas no rebaixamento está a Petrobrás, vítima de um enorme esquema de corrupção, que até agora está sendo investigado pela operação 'Lava-Jato'.