A #Greve do INSS entrou nesta semana, em um período de duração superior a 70 dias. Os atendimentos nas agências continuam suspensos, apesar da determinação judicial de funcionamento parcial. Mesmo que os peritos estejam nas agências trabalhando, os funcionários continuam de braços cruzados. O governo lançou na última sexta-feira, dia 18, uma nova proposta para a categoria. A mesma será analisada pelo movimento grevista e caso seja aceita, os servidores poderão encerrar a greve ainda esta semana.

O ministério do Planejamento divulgou na última sexta-feira, dia 18, um ofício reiterando a sua posição quanto ao teor da proposta feita ao servidores do INSS, em face das reivindicações da categoria.

Publicidade
Publicidade

De acordo com o documento, fica mantida a proposta feita inicialmente, em julho, de um reajuste escalonado. Ou seja, o governo propõe um reajuste de 10,8%, a ser realizado em dois anos, sendo no primeiro, um aumento de 5,5% no ano de 2016 e o outro, de 5,8%, para o ano de 2017. A pauta de reivindicações da categoria pedia 27,5% de reajuste. O mesmo ainda se propôs a atender itens da pauta específica, tais como a regulamentação do atendimento a ser feito por turnos (REAT) e uma reavaliação da metodologia de trabalho a ser desenvolvida pelos servidores do órgão.

O #Governo resolveu acatar reivindicações antigas por parte dos funcionários do órgão. São elas: a incorporação ao salário de aposentadoria dos servidores da Gratificação por desempenho (GDASS). Entretanto, esta seria feita de forma gradativa, em três parcelas, com início a partir de 2017.

Publicidade

Para esta também será alterada a limite mínimo de incorporação da mesma, passando dos atuais 30 para 70 pontos e que valeria já a partir de 2016. 

O ofício elaborado pelo ministério do Planejamento prevê ainda a reposição dos dias paralisados com a greve. Ele apresentou a chamada minuta dos dias parados e o desconto, em valores, relativo ao período sem atendimento. De acordo com Sandro Cezar, um dos dirigentes do movimento, este ponto seria o que está criando um controvérsia com o governo. A intenção do governo é que os servidores possam repor, cerca de 600 horas e categoria não aceita este ponto. Ele afirma ainda que, o governo avançou nas propostas, porém a orientação para os servidores é de que não aceitem a proposta. Isto se deve ao item da reposição dos dias parados. Eles esperam uma alternativa por parte do governo para essa questão. Um nova assembleia está marcada para esta terça-feira, dia 22 com a categoria, a fim de avaliar a proposta. #Manifestação