O ex-chefe da Casa Cívil do Estado do Maranhão, João Abreu, teve pedido de prisão decretado na tarde desta quinta-feira (24) pela Justiça.

O membro do #Governo Roseana Sarney é acusado de receber propina do doleiro Alberto Youssef, sendo indiciado por corrupção. Abreu foi indiciado pela Polícia Civil em 10 de agosto e seu processo faz parte da Operação #Lava Jato.

De acordo com o portal UOL, estima-se que João Abreu tenha recebido propinas no valor de R$ 3 milhões de reais. O acordo era que João garantisse que o governo de Roseana pagasse um valor estimado em R$114 milhões para empresa do doleiro Youssef, a Constran-UTC, especializada em Engenharia. 

Na data que foi indiciado, Abreu se manifestou por meio de nota dizendo que ele estava sendo acusado indevidamente e negou que tenha recebido quaisquer tipo de propina, de nenhuma fonte, enquanto Chefe da Casa Civil.

Publicidade
Publicidade

Logo que decretado o pedido de prisão, nesta quinta, a polícia civil fez buscas na casa de João Abreu, no bairro nobre Ponte da Areia em São Luis, onde vive. O político porém não foi encontrado.

A polícia civil maranhense não desistiu e está fazendo campana vinte e quarto horas na porta do prédio do político já que receberam informações de que Abreu poderia estar no local, mesmo não tendo sido encontrado. Policiais acreditam que ele possa estar escondido na casa de algum vizinho e por este motivo, só irão sair de lá quando o caso estiver sido averiguado.

Alberto Youssef, o doleiro acusado, já encontra-se preso. No dia 17 de março do ano passado, também no estado do Maranhão, Youssef foi preso num hotel de luxo. Acredita-se que Youssef estivesse lá para negociar com Abreu. Assim começou a Lava Jato. O Governo Maranhense e a Constran fecharam o tal acordo em 23 de novembro de 2013.

Publicidade

A juíza Luiza Neponucena da da 1ª Vara da Fazenda Pública autorizou o trato.

Sabe-se que sete parcelas foram quitadas pelo Governo do Maranhão. O acordo foi suspenso em Julho deste ano quando iniciou-se as investigações do caso. No total, foram gastos cerca de R$34 milhões de reais. #Crise