Há muitos motivos para que o Partido dos Trabalhadores, o PT, tenha ganho quatro eleições consecutivas para a presidência da república. Com as políticas de esquerda, voltadas às camadas mais pobres, a maior parte dos brasileiros foi atingida com programas de governo como o 'Bolsa Família' ou o 'Minha Casa Minha Vida'. O incentivo na educação foi evidente. Em 2004, apenas 8% dos jovens tinham ensino superior, agora esse número já chega a 17%. Desses, metade deles está na chamada classe. Enquanto os excluídos caíram de 33% para 24%. No entanto, a presidente não está sabendo se comportar com a crise econômica e política, penalizando justamente quem a elegeu. 

Neste domingo, 13, e nesta segunda-feira, 14, Dilma Rousseff se reuniu com seus ministros para ver onde ela vai fazer cortes.

Publicidade
Publicidade

Nesse meio tempo, milhares de brasileiros estão tendo dificuldades para conseguir o seguro desemprego ou então para começar a receber a aposentadoria. Quem está realmente sofrendo com isso tudo não são os empresário, que quando a coisa está ruim simplesmente diminuem os investimentos aqui e passam a colocar suas forças no exterior. São justamente os trabalhadores mais pobres que vivem na carne as mudanças por quais passa o Brasil.

Com uma inflação de 10% ao ano, Dilma caminha para o suicídio político. O trabalhador teve que cortar itens básicos na sexta básica. Um dos alimentos que mais subiu nos supermercados foi o feijão, que ao lado do arroz sempre fizeram companhia nas mesas dos brasileiros. O futuro no país é nebuloso, mas decisivo, se Rousseff continuar com políticas de direita ela continuará a ser criticada pelos opositores, especialmente pelo PSDB, mas também não terá de volta o apoio de seus eleitores.

Publicidade

Enquanto Dilma e o ministro da fazenda, Joaquim Levy, tentam se ajeitar no governo, as famílias esperam por uma resposta, mas não só de mudanças, mas de melhora para cada um de nós. Ninguém está desposto em perder o prato de comida para erguer empregas multinacionais. Ou você realmente está?  #Dilma Rousseff #Impeachment