O clima político no país parece que a cada dia se complica mais. Com a popularidade mais baixa da história, a presidente da república Dilma Rousseff está sofrendo com algumas declarações de seu vice, Michel Temer. O representante do PMDB criou algumas polêmicas nas últimas semanas. Em uma delas, Temer aparece em um vídeo de seu partido dizendo que o Brasil vai mudar, que precisa mudar. Entretanto, ele e Dilma já estão a quase cinco anos no poder. Ainda assim, o PMDB se coloca como a grande mudança que o país precisa.

Nesta quinta-feira, 03, Michel Temer se reuniu com um grupo de empresários em São Paulo. O vice-presidente da república conversou sobre a crise econômica e política.

Publicidade
Publicidade

Michel disse que Dilma Rousseff não é uma mulher de renunciar, que dificilmente ela faria isso, mesmo caso fosse aberto um pedido de #Impeachment. De acordo com informações do jornal Folha de São Paulo, Temer foi ainda além e comentou os 7% de aprovação do governo da presidente. A representante do Partido dos Trabalhadores, o PT, tem 71% de rejeição. "Fica realmente impossível alguém governar com essa impopularidade por mais três anos", avaliou o aliado de Dilma.

Temer diz que país vai melhorar apenas no ano que vem

Apesar da fala, Michel Temer disse que as coisas tendem a melhorar apenas no meio do ano que vem, quando a crise deve começar a sumir do país. Enquanto isso, diversos políticos e empresários continuam sendo investigados pela polícia federal na operação 'Lava Jato'. No esquema, o dinheiro que serviria para as obras da Petrobrás acabou no bolso de terceiro.

Publicidade

Dentre outras coisas, esse esquema teria financiado campanhas eleitorais.

Como a 'Lava Jato' envolve as maiores empreiteiras do país, o setor de petróleo e da construção civil parou. Um dos estados mais afetados é o Rio de Janeiro, que já mostra o maior crescimento do desemprego no país. Enquanto trabalhadores ficam sem seus postos de trabalho, os servidores do INSS entraram em greve, dificultando assim a obtenção da aposentadoria e também do seguro desemprego. #Dilma Rousseff