Em uma guerra que parece não ter mais fim, partidos de oposição e governo travam uma batalha sem precedentes, o PSDB e o DEM não reconhecem autoridade moral de Dilma Rosseff e ainda a acusam de falir o país para vencer as eleições. Por outro lado, Dilma chama os adversários que querem ver seu #Impeachment de "moralistas sem moral" e ainda de golpistas.

O DEM e o PSDB, em nota divulgada nesta quarta feira (14), classifica Dilma Rousseff como sem autoridade moral. Por sua vez, Dilma afirma que os partidos de oposição estão se articulando para chegar ao poder por meio de golpe e ainda desafiou: "quem teria biografia para atacá-la".

Publicidade
Publicidade

Continuando a guerra de acusações, os partidos adversários disseram através de uma nota, que não reconhecem a autoridade da Presidente da República, pois a mesma quebrou o país, retirou milhões de empregos de cidadãos brasileiros e que ainda foi espectadora passiva no assalto à maior empresa brasileira, tudo para garantir seus interesses de vencer as eleições.

Os opositores dizem que ela mentiu para ganhar as eleições e continua mentido para se manter no poder. Por isso, nessa quinta-feira, a oposição vai entrar com um novo pedido de impeachment no Congresso Nacional contra #Dilma Rousseff. Os mesmos desistiram de suplementarem pedidos que já estavam em andamento, decidindo apresentar novos documentos.

As pedaladas fiscais vão entrar nesse novo pedido de impeachment, pelos opositores da presidente, alegando o atraso de repasses a bancos públicos, em 2015.

Publicidade

O Tribunal de Contas da União (TCU), apresentou ao Ministério Público provas que acusam a presidente Dilma Rousseff que as pedaladas fiscais continuaram no ano de 2015.

No meio dessa guerra de gigantes, existem contribuintes sem saber a quem recorrer. Tanto se fala em desvios, roubos e a segurança pública, está sem segurança. A saúde pública, na UTI e a nossa Pátria Educadora, onde andará? Os brasileiros esperam que depois de tanto empurra, empurra, as coisa melhorem na nossa Pátria Amada, Mãe Gentil. #Governo