Nos últimos dias a presidente da república, Dilma Rousseff, ficou entre os assuntos mais comentados do Brasil e do exterior. Isso porque ela diz que está cortando na própria carne para dar o exemplo aos brasileiros, assolados pela crise política e econômica do país. Ela anunciou menos ministérios, no entanto, mais PMDB no governo. Além disso, o ex-presidente da república Luiz Inácio Lula da Silva também faz o meio de campo no congresso nacional, tentando garantir que as propostas de sua aliada sejam aprovadas e também que o impeachment seja evitado.

No fim  das contas, Dilma a cada dia governa menos o país. É como se ela virasse uma espécie de "ventríloco", apenas à espera de seu manipulador para ajudá-la a ter vida.

Publicidade
Publicidade

As mudanças de Dilma, que incluem uma redução de 10% do próprio salário, acabaram agradando o mercado, mas em nada essas propostas se parecem com as de um ano atrás, quando Rousseff se candidatava à reeleição. É óbvio que tudo isso será lembrado nas próxima eleições. De uma maneira ou de outra, mesmo que a crise seja superada, a presidente acabou matando o movimento de "Volta, #Lula!".

O descrédito do governo da petista também acaba reverberando para o seu grande aliado. Lula tenta evitar o assunto eleição, mas durante alguns comícios já sinalizou que se necessário vai sim concorrer de novo ao pleito. Mas com que credibilidade? O ex-operário que era muito adorado pelo povo agora ganhou status de "pixuleco", um boneco com suas feições e vestido de presidiário. Ainda pesa contra Lula o fato de agora ele ser chamado para responder à algumas perguntas no caso da investigação da Lava Jato.

Publicidade

De acordo com juristas, Lula não é acusado, vai apenas como testemunha, mas é impossível dissociar seu nome da coisa.

Os eleitores, pelo menos por um tempo, devem querer ficar bem longe do PT e dos políticos que se candidatam pelo partido. Tanto é, que o próprio partido tem medo de uma derrocada. Nomes como Molon já deram adeus à legenda e agora fazem parte da Rede, partido recém criado por Marina Silva.  #Dilma Rousseff