Apesar de toda a reforma ministerial e dos cortes que promoveu, o governo da presidente da república Dilma Rousseff estaria temendo e muito uma abertura de impeachment nas próximas semanas. Isso porque o presidente da câmaras dos deputados, Eduardo Cunha, poderia fazer uma espécie de "pirraça" e tentar desviar as atenções para uma grande investigação que se faz em torno dele. Como virou alto na operação Lava Jato, cunha pode fazer uma espécie de "cortina de fumaça", fazendo  a atenção dos brasileiros voltaram à presidente. Desde que assumiu o posto de presidente da câmara, o deputado federal pelo PMDB do Rio de Janeiro já recebeu 19 pedidos de abertura de #Impeachment contra Dilma, mas desses já descartou onze deles. 

Cunha é acusado pela procuradoria da república de receber cinco milhões de dólares no esquema de corrupção da Petrobrás.

Publicidade
Publicidade

Cabe agora ao Supremo Tribunal Federal decidiu se um processo será aberto ou não contra o deputado. À imprensa e também à receita federal, Eduardo sempre negou que tivesse contas no exterior. No entanto, o ministério público da suíça encontrou cinco contas no nome do presidente da câmara e de seus familiares. Agora o parlamentar só fala sobre o assunto através de advogados.

Fundador do PT também quer saída de Dilma

Um dos pedidos mais contundentes de impeachment contra #Dilma Rousseff e que até agora Cunha ainda não analisou, partiu de Hélio Bicudo, um dos fundadores do Partido dos Trabalhadores, o PT. De acordo com informações da Folha de São Paulo em reportagem publicada neste domingo, 04, Cunha pode rejeitar esse pedido para fazer uma manobra, esperando que os deputados digam que a maioria dos parlamentares é que precisam dar a decisão final sobre o assunto.

Publicidade

Dessa forma, querendo ou não, o pedido de impeachment mais uma vez passaria pelas mãos do deputado, mas ele poderia se esquivar ao argumentar que foi um pedido contundente da oposição. A situação deve se agravar ainda mais para o governo federal quando o TCU não próximas semanas rejeitar as contas do governo.