Durante um discurso na entrega de 928 unidades do Minha Casa Minha Vida, na região de Paranoá, a presidente Dilma Rousseff garantiu que tanto as casas habitacionais do programa, quanto o Bolsa Família não irão acabar, nem sofrerão com atrasos ou terão os pagamentos atrasados. Sabemos que, no momento, o Brasil vem passando por uma séria crise política e econômica, estando no meio de uma grande avalanche de escândalos envolvendo os principais nomes políticos do país. Diante de todos esses momentos de dificuldades, Dilma disse fazer esforços e citou que em seu governo houve uma diminuição de ministérios, cargos e em seu salário uma redução de 10%.

Publicidade
Publicidade

 

De acordo com a reportagem do Jornal O Globo: "O governo federal não vai também parar o Bolsa Família ou diminuir o Bolsa Família ou não pagar em dia o Bolsa Família. Muita conversa, que é uma conversa que não é séria, que é a conversa do boato, aparece. Eu estou aqui dizendo para vocês que o Bolsa Família não vai ser interrompido, o Minha Casa Minha Vida não vai ser interrompido. A gente aperta o cinto e garante os programas fundamentais para a vida da população do nosso país.", discursou a presidente.

A entrega das unidades habitacionais em Paranoá, na região administrativa próxima de Brasília, foi intercalada entre palmas e vaias, quando a presidente #Dilma Rousseff e o governador do Distrito Federal Rodrigo Rollemberg discursavam. As vaias destinadas ao governador estão ligadas ao seu inimigo político, o ex- governador do DF Joaquim Roriz, pois a região é um espaço fechado com dominações políticas do ex-governador.

Publicidade

Esse momento criou um estado de manifestação, onde algumas pessoas o chamavam de “caloteiro” e perguntavam sobre o pagamento dos professores. Quando Dilma começou seu discurso houve vaias isoladas. Dilma aproveitou o momento e ressaltou o valor da mulher dentro da família, não diminuindo o papel do pai. Essa relação de amor e ódio com a figura de Dilma tem sido recorrente no cenário atual, explicando a insatisfação por seu governo nas últimas pesquisas. #Crise econômica #Crise no Brasil