O relatório divulgado esta semana pelo Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras), órgão subordinado do ministério da Fazenda, mostrou movimentações irregulares nas contas bancárias do ex-presidente #Lula e mais três componentes influentes do #PT. São eles, Erenice Guerra, que ocupou a Casa Civil no primeiro mandato de Dilma Rousseff, sendo considerada o braço direito da presidente; Antonio Palocci, que respondeu pela Casa Civil, no mandato de Lula, como presidente e Fernando Pimentel, atual governador de Minas Gerais.

A publicação desta informação, deu-se a a partir da análise das movimentações financeiras de 103 pessoas e de 188 empresas, que mantinham ou mantém algum tipo de vínculo com o governo petista.

Publicidade
Publicidade

Foi uma averiguação minuciosa nas contas bancárias e na quantias investidas no mercado financeiro pelos investigados.

Com relação ao ex-presidente Lula, a Coaf divulgou que detectou a realização de transações financeiras suspeitas. Além disto, Lula tem em seu nome um título previdenciário de natureza privada, cujo valor é de 1 milhão de reais. Através de uma empresa aberta em seu nome, o ex-presidente recebeu 27 milhões de reais, em um período de quatro anos. Deste montante, ele movimentou cerca de 25,3 milhões. O objetivo da empresa é proferir palestras ao redor do mundo. O seu cliente mais fiel era a construtora Odebrecht. Esta desembolsou, em favor de Lula, a quantia de 4 milhões de reais.

As movimentações incluem repasses de valores para a empresa de Fernando Bittar, que é dono do sítio, na cidade de Atibaia e cuja propriedade é atribuída ao ex-presidente.

Publicidade

Lula repassou ainda grandes quantias para as empresas dos seus filhos, Lurian Cordeiro Lula da Silva, que recebeu a maior quantia, 365 mil e para Luis Claudio Lula da Silva, beneficiado com 209 mil reais. O Coaf considera as operações irregulares, pois as operações financeiras não condizem com seu patrimônio e a sua potencialidade financeira. Lula tem declarado uma renda mensal de apenas R$ 3.753,36.

Antonio Palocci, que montou uma empresa para prestar consultoria, tem registrado uma movimentação bancária de 185 milhões, cuja cifra foi obtida por cerca de onze transações financeiras declaradas. A análise da Coaf considera todas as transações suspeitas, pois as mesmas são consideradas não compatíveis com o patrimônio declarado.

Erenice Guerra foi citada por movimentar o esquema de recebimento de propina da empresa de Fábio Bacarat, a quem a mesma teria proporcionado certas preferências, no "negócio" montado por ela mesma e que envolveu os Correios e a ANAC (Agência Nacional de Aviação Civil).

Publicidade

O balaço do esquema mostrou movimentações financeiras da ordem de 26,3 milhões de reais, sendo que no período entre 2011 e 2015, ela conseguiu somar créditos na ordem dos 12 milhões de reais. As transações eram feitas nas contas da empresa de seu filho, Saulo Dourado Guerra.

Pimentel foi citado no relatório da Coaf, por realizar transações suspeitas, tais como uma retirada de 150 mil reais, em espécie. Este tipo de transação chamou a atenção do órgão, pois o governador sonegou informações a respeito das operações efetuadas. Ele se recusou a prestar informações para a instituição bancária. De acordo com os advogados do mesmo, Pimentel irá, posteriormente, prestar todos os esclarecimentos.

De acordo com o Coaf, os petistas movimentaram juntos cerca de 500 milhões de reais. As informações serão remetidas para a Polícia Federal, com aval do Ministério Publico e do Congresso Nacional. #Finança