Em entrevista ao jornal O Povo, nesta terça-feira dia 27, Deltran Dallagnol, 35 anos, Procurador da Justiça Federal, compõe o time de magistrados que estão trabalhando intensamente nos vários desdobramentos da operação Lava Jato, presidida pelo juiz Sérgio Moro, em Curitiba. De acordo com o procurador, que também coordena as operações da mesma, as penas para os condenados por crimes de corrupção, no Brasil, ainda são bastantes brandas. Nas palavras de Dallagnol: "São piadas de gosto muito duvidoso".

Deltran Dallagnol, atualmente, viaja pelo país liderando um movimento que busca a aprovação de uma espécie de projeto de Lei , de caráter popular, no qual são descritos dez passos ou providências que devem ser adotadas para que haja uma maior rigidez com aqueles que cometem crimes, que dizem respeito a uma má utilização do dinheiro público.

Publicidade
Publicidade

#Governo #Lava Jato

Veja aqui quais são os passos contra a corrupção no Brasil, elaboradas pelo Ministério Público

  • Prevenir a #Corrupção, buscar transparência e proteger a fonte de informação;
  • Incremento das penas e tornar a corrupção um crime hediondo;
  • Julgamento mais rápido dos crimes de improbidade administrativa;
  • Procurar a elevação da eficiência da justiça, incluindo o julgamento de recursos penais;
  • Tornar crime o enriquecimento, por meios ilícitos, de servidores públicos;
  • Adoção da prisão preventiva para que o dinheiro desviado seja realmente devolvido;
  • Garantir que as provas contra o réu sejam anuladas somente se violarem os direitos do mesmo e que elas cumpram seu papel de garantir desempenho correto da administração pública;
  • Responsabilizar os partidos políticos por manterem a confecção do caixa dois de suas movimentações, tornando a prática ato criminal;
  • Recuperar o patrimônio de agentes condenados por crimes contra a administração pública, quando estes forem frutos de lucros obtidos contra o dinheiro público;
  • Interromper o tempo de espera de julgamento de algum recurso impetrado pelo condenado por crime contra corrupção. Deste modo, evita-se que haja uma prescrição do crime, visto que, o tempo de espera pode ser longo e assim dificulta a punição dos culpados. Isto se daria através de recurso interposto pela acusação, que interromperia qualquer prescrição que estivesse próxima de acontecer.