Foi a primeira vez na história do Brasil que um senador da República foi preso no exercício do mandato. E esse nobre parlamentar além de ser um senador, também era líder do Governo Dilma Roussef no Senado, ex-governador do Estado do Mato Grosso do Sul, e um dos defensores de dirigentes e políticos presos nas ações da Operação Lava Jato.

O senador foi preso porque estava interferindo no trabalho da Policia Federal oferecendo uma mesada mensal e a possibilidade de fuga para a Espanha a Nestor Cerveró, um dos diretor da Petrobrás preso em ações anteriores da Lava Jato. Existe uma gravação feita pelo filho de Cerveró, Bernardo.

Publicidade
Publicidade

Nela ouve-se claramente a proposta do Senador.

O ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal, autorizou a prisão do mesmo e encaminhou os autos do processo para deliberação do Senado. Segundo o artigo 53 da Constituição Federal, em caso de prisão em flagrante delito, o plenário do Senado poderia reverter a decisão da corte. Entretanto, em votação aberta, os senadores decidiram manter a prisão por 59 votos a favor e 13 contra, sendo 1 abstenção.

13 contra a Prisão

Foram contrários a prisão de Delcidio Amaral os seguintes senadores:

 Ângela Portela (PT-RR), Donizeti Nogueira (PT-TO), Fernando Collor (PTB-AL), Gleise Hoffman (PT-PR), Humberto Costa (PT-PE), José Pimentel (PT-CE), João Alberto Souza (PMDB-MA), Jorge Viana (PT-AC), Lindbergh Farias (PT-RJ), Paulo Rocha (PT-PA), Regina Sousa (PT-PI), Roberto Rocha (PSB-MA) e Telmário Mota (PDT – RR), além da abstenção de Edison Lobão (PMDB-MA).

Publicidade

A coincidência do número reforça a tese de alguns parlamentares que votaram contra a prisão e que também já foram citados na Lava Jato: Fernando Collor (PTB-AL), Gleise Hoffman (PT-PR), Humberto Costa (PT-PE) e Lindbergh Farias (PT-RJ). E ainda podem vir a ocupar o lugar de Delcídio na liderança da casa os senadores Paulo Rocha (PT-PA) e Telmário Mota (PDT – RR).

A partir dessa ação, a operação Lava-Jato abre caminho para a prisão de Deputados, Senadores, Ministros e até ex-presidentes. #Corrupção