José Carlos Araújo, presidente do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara dos Deputados (PSD-BA), será o condutor do processo que poderá resultar na cassação do deputado Eduardo Cunha. São três os deputados sorteados para investigar o caso: Vinícius Gurgel (PR-AP), José Geraldo (PT-PA) e Fausto Pinato (PRB-SP).  O processo foi instaurado nesta terça-feira (3) e deverá concluir se houve quebra de decoro parlamentar por parte do presidente da Casa.

Um dos sorteados para integrar a lista tríplice é o deputado Vinícius Gurgel (PR-AP), que apoiou a candidatura e comemorou a eleição de #Eduardo Cunha quando este assumiu o cargo de presidente de Câmara.

Publicidade
Publicidade

Ainda que próximo do acusado, Gurgel afirmou que diante das provas apresentadas pelo Ministério Público da Suíça, não há chance de pedir um possível arquivamento do processo.

José Araújo deve conversar com cada um dos sorteados para definir qual deles atuará como relator. Todos consideraram haver fortes indícios contra Cunha, que é também investigado na Operação Lava Jato.

O requerimento de autoria da PSOL e da Rede, acusa Cunha de ter mentido em seu depoimento na CPI da Petrobras, quando negou possuir contas em bancos na Suíça.

O que pode acontecer

Deste processo, Cunha poderá ser absolvido, receber a chamada censura verbal ou escrita, ser suspenso, ou ter seu mandato cassado.

Após ter recebido a documentação que comprova a existência das contas no nome de Cunha e sua família, o Supremo Tribunal Federal abriu inquérito para apurar as suspeitas.

Publicidade

Desde então, o deputado tem se recusado a falar sobre o caso e afirma que não obteve vantagens indevidas em nenhuma situação.

Durante o andamento do processo no Conselho de Ética, Eduardo Cunha poderá continuar no cargo, pois o Conselho não tem poder para afastar o presidente. De acordo com as regras, todo o procedimento deverá ser concluído em no máximo 90 dias.

Caso a indicação do Conselho de Ética seja pela cassação, a votação não é secreta e precisa dos votos de 257 dos 513 deputados.

  #Investigação Criminal