O instituto Paraná Pesquisas divulgou nesta terça-feira(24) que cerca de 70% dos eleitores brasileiros querem o afastamento do Presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) das suas funções, enquanto estiver respondendo ás acusações de #Corrupção e lavagem de dinheiro na contratação de navios-sonda da Petrobrás. Segundo a pesquisa, foi ainda indicado que 13,4% do eleitorado acha que ele teria que renunciar ao cargo de presidente da Câmara e continuar como Deputado; 5,6% queriam a sua permanência na presidência da Câmara; e 4,8% acham que ele deve renunciar ao cargo de Deputado.

O que se chegou a conclusão mesmo é que a grande maioria dos eleitores questionados, 83,2%, acham, sim, que Eduardo Cunha teve benefícios no esquema de corrupção no esquema de corrupção na Petrobrás.

Publicidade
Publicidade

8,4% não acreditam que ele foi beneficiado por esse esquema e 8,4% dizem não saber ou não quiseram responder à pesquisa.

Já a defesa de #Eduardo Cunha não ajudou ao falar não acreditar em perseguição por parte do Ministério Público; 75,8% se manifestaram crentes na denúncia por corrupção e lavagem de dinheiro, e no envolvimento de Cunha no esquema que entrou para a História brasileira como o maior roubo em uma empresa pública. Os que acreditam na suposta perseguição por parte do Ministério Público são 16,2%, enquanto 8% disseram não saber ou não quiseram responder.

A pesquisa foi realizada com 2.020 habitantes divididos em sub-grupos compostos por sexo, faixa etária, escolaridade e posição geográfica. O Instituto Paraná Pesquisas fez todo levantamento de dados através de entrevistas pessoais com o eleitorado maiores de 16 anos em 23 Estados e 164 municípios brasileiros, nos dias dezessete e vinte e dois de novembro de 2015, sendo checadas ao mesmo tempo á sua execução em 19,9% das entrevistas.

Publicidade

" O grau de confiança da pesquisa é de 95% e a margem de erro de dois pontos percentuais," afirma o instituto. Ainda não se sabe quais as consequências que esta sondagem poderá trazer para o futuro político de Eduardo Cunha, no curto prazo.