De acordo com informações da Polícia Militar de Belo Horizonte, aproximadamente 400 pessoas se reuniram e protestaram contra o presidente da Câmara dos Deputados, #Eduardo Cunha (PMDB-RJ), na região Centro-Sul da cidade, na Praça da Liberdade.

Além da reclamação mais ampla, que pedia propriamente a saída de Cunha do cargo que atualmente exerce, alguns manifestantes apresentavam questionamentos mais específicos contra o parlamentar, como por exemplo o projeto de Lei 5069/2013, que impõe barreiras para o atendimento médico de mulheres que tenham sofrido estupro e complica o aborto legal.

Maria Esther Vilela, de 59 anos, não teve dúvidas ao explicar por qual motivo dedicou o seu domingo para protestar contra Cunha.

Publicidade
Publicidade

"Eu sou médica e estou aqui hoje porque sei o quanto mal faz o Cunha para a nossa saúde. Ele interfere na vida das mulheres e interfere na forma como devemos tratar o nosso corpo", critica.

O Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas (MLB) tomou a frente da #Manifestação mineira e foi voz ativa nas demandas do grupo, que, assim como em São Paulo, também questionava o ajuste fiscal que segue em debate em Brasília.

No início da manifestação, houve um princípio de confusão quando um dos manifestantes reclamou de força excessiva dos policias presentes, que tentaram desobstruir uma das ruas. Contudo, nada de maior gravidade ocorreu depois. #Protestos no Brasil