A próxima corrida eleitoral de São Paulo promete ter uma briga de apresentadores pelo tão sonhado cargo de prefeito da maior cidade do país e terceira maior do mundo. Nessa disputa, quem está se dando melhor, pelo menos há uma ano da eleição, é o deputado federal Celso Russomanno do PRB. Em pesquisa realizada pelo instituto Datafolha e publicada nesta terça-feira, 03, o deputado que também apresenta um quadro de defesa do consumidor na emissora de Edir Macedo, a TV Record, aparece com 34% das intenções de votos. O Datafolha simulou duas situações de disputa, em ambas, Russomanno aparece com o mesmo placar. 

Outro apresentador, filiado ao PP, José Luiz Datena, que comanda o jornalístico 'Brasil Urgente' na TV Bandeirantes, vai precisar suar para ganhar essa parada.

Publicidade
Publicidade

Ele aparece empatado com dois outros pré-candidatos, todos variando entre 12 e 13% dependendo do cenário dos candidatos para o ano que vem. Com a mesma marca de Datena aparecem Marta Suplicy do (PMDB) e o atual prefeito de São Paulo, o petista Fernando Haddad, que enfrenta um forte rejeição na cidade, assim como a líder política do país pertencente ao mesmo partido que o dele, Dilma Rousseff. 

Disputa entre grandes nomes

Como retardatários, mas com um eleitorado fiel, aparece o polêmico deputado federal Marco Feliciano (PSC). Conhecido pelos seus comentários que viram reclamações de grupos que lutam pelos direitos dos homossexuais, Feliciano teve 4% das intenções dos votos nessa pesquisa do Instituto Datafolha. O terceiro apresentador da disputa, João Dora Jr, que já comandou 'O Aprendiz' na Record e apresenta o 'Show Business' na TV Bandeirantes tem por enquanto 3% dos votos dos paulistas.

Publicidade

Lembrando que nas últimas eleições, Russomanno foi muito bem em quase todas as pesquisas, mas na reta final acabou perdendo o pleito com diferença significativa para Fernando Haddad. Mais de mil pessoas responderam a pesquisa entre os dias 28 e 29. De acordo com o Datafolha, a margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou para menos.  #Governo #Eleições 2016