O presidente da Câmara dos Deputados, #Eduardo Cunha (PMDB-RJ), anunciou em entrevista coletiva, na noite de quinta-feira (26), que todos os últimos sete pedidos de impeachment que estão em sua mesa já foram analisados e os pareceres devem ser anunciados segunda-feira (30).

O pedido que mais preocupa o Governo, e acalenta a esperança da oposição por expulsar a presidente do cargo, é o de autoria dos juristas Hélio Bicudo, fundador do PT e Miguel Reale Júnior. A acusação é a de que Dilma praticou as famosas ”pedaladas fiscais” em 2015, ou seja, no atual mandato.

Cunha vinha anunciando há alguns meses que pretendia resolver todos os pedidos de impeachment antes do recesso parlamentar, ou seja, até o fim de novembro.

Publicidade
Publicidade

O presidente da Casa já arquivou um total de 20 pedidos feitos pelos mais diversos setores, tanto sociedade civil como parlamentares, por exemplo, o deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ).

O peemedebista afirmou na entrevista que alguns pareceres já estão prontos há alguns dias e que ele pretendia anunciá-los essa semana, porém, preferiu esperar um pouco mais porque não queria que antecipasse o posicionamento dos outros.

"Eu ia até decidir e antecipar a decisão, mas a decisão de um praticamente antecipa o posicionamento de outros. Então decidi fazer em conjunto", disse.

Alguns que vislumbram a admissão do pedido de impeachment podem ver na fala de Cunha uma ponta de esperança. Nada impedia que Cunha tivesse recusado os com pareceres já prontos, não significaria que os seguintes também seriam recusados, pois eram argumentações distintas com um mesmo fim.

Publicidade

Por outro lado, se um dos pareceres já concluídos fosse acatado, o objetivo de todos os outros já teriam sido alcançado, ou seja, “praticamente antecipa o posicionamento” dos demais.

Oposicionistas a Cunha veem na recusa dos pedidos um acordo entre presidência da Câmara e Planalto para preservar os dois mandatos. A articulação será mais do que bem vinda para ambos os lados depois dos acontecimentos da semana. Enquanto o Governo viu seu líder no Senado ser preso, um grupo de deputados de seis partidos entregou uma representação contra Eduardo Cunha na PGR. #Dilma Rousseff