Na manhã desta terça-feira (24), foi preso em Brasília o empresário e pecuarista José Carlos Bumlai, conhecido por ter tido livre acesso ao Planalto durante o governo do ex-presidente Lula. Nesta nova fase da operação #Lava Jato, denominada Passe Livre, foram expedidos 25 mandados judiciais, 25 de busca e apreensão, além da prisão preventiva de Bumlai e seis mandados de condução coercitiva (quando a pessoa presta depoimento e é liberada), dois destes para filhos de Bumlai.

De acordo com a Polícia Federal, há fortes indícios de fraude na licitação da contratação de um navio sonda pela Petrobrás. Neste processo teriam sido tomadas medidas para ocultar o verdadeiro destino de pagamentos indevidos, que teriam sido feitos a funcionários públicos e diretores da estatal.

Publicidade
Publicidade

Esta fase da Lava Jato investiga também falsificação de documentos, falsidade ideológica, corrupção ativa e passiva, lavagem de dinheiro e outros crimes relacionados com a Petrobras.

O relacionamento com #Lula

A denúncia foi feita pelo delator conhecido como Fernando Baiano, que afirmou que Lula teria recebido Bumlai em pelo menos duas ocasiões, em 2011, para o acerto de contratos que teriam rendido o pagamento de aproximadamente dois milhões de reais. Em depoimento, Baiano contou que os encontros entre Lula, Bumlai e João Carlos Ferraz, na época presidente da empresa Sete Brasil, criada pela Petrobras para construção de navios-sonda, aconteceram em São Paulo, no Instituto Lula.

Em um encontro prévio, ao qual o delator afirma ter estado presente, Bumlai teria orientado Ferraz sobre o que dizer a Lula.

Publicidade

O destino da propina seria o pagamento da dívida de um imóvel da nora do ex-presidente.

Apesar de negar que tenha repassado o dinheiro e dizer que não é tão amigo de Lula como diz a imprensa, Bumlai confirma que levou um empresário do setor do petróleo para encontrar com Lula em 2011, a pedido de Fernando Baiano. Em entrevista ao jornal Estado de São Paulo, o pecuarista também disse que não tinha livre acesso ao Planalto, onde teria estado apenas duas vezes durante os oito anos do governo Lula. Ele nega ter negócios com o ex-presidente e diz ser amigo de Lula em ocasiões sociais, como festas e almoços. Antes de ser eleito, Lula esteve hospedado na fazenda de Bumlai, mas segundo  pecuarista, depois de eleito nunca mais esteve lá.

Agora preso, José Carlos Bumlai se dispõe a uma acareação com Fernando Baiano.