O Supremo Tribunal de Justiça (STJ), negou, neste final de semana, parecer favorável ao habeas corpus impetrado pelos advogados de Marcelo Odebrecht. Além do mesmo, seriam beneficiados Marcio Faria da Silva, Cesar Ramos Rocha e Rogério Santos de Araújo. A decisão foi proferida pelo ministro Ribeiro Dantas e mantém na prisão, o empresário acusado participar do esquema de lavagem de dinheiro, #Corrupção ativa e formação de organização criminosa.

Marcelo Odebrecht é considerado um dos principais empresários do país. Dotado de bom conhecimento e formação, ele se tornou muito influente no mundo empresarial. Neto do fundador do grupo, Norberto Odebrecht e filho de Emílio Odebrecht, que esteve à frente das empresas da família até 2001.

Publicidade
Publicidade

Marcelo foi preso pela acusação dos crimes descritos acima. Ele se encontra recolhido na carceragem, em Curitiba, desde o dia 19 de junho, por determinação do juiz Sérgio Moro, durante os desdobramentos da operação Lava Jato.

Os advogados do empresário entraram com um pedido de habeas corpus, ao STJ. Eles já haviam recorrido da decisão do Desembargador do Tribunal Regional Federal da quarta região. Nesta decisão, o magistrado havia julgado indeferido o pedido dos advogados de defesa do empresário. No recurso movido junto ao STJ, os advogados questionam a abertura de um segundo processo contra Marcelo por crime de corrupção. Os advogados entendem que o processo, no qual o seu cliente já  se encontra preso, já trata deste tipo de acusação.

No entendimento do ministro Ribeiro Dantas, responsável por indeferir o pedido de habeas corpus, não há nenhum tipo de ilegalidade praticada pelo Juiz Sérgio Moro, ao pedir a prisão preventiva do empresário.

Publicidade

Em depoimento, na última sexta-feira, dia 28, Marcelo Odebrecht depôs na justiça, em audiência presidida pelo juiz Sérgio Moro. Durante a sessão, o réu recusou a responder a todas as perguntas que foram feitas pelo magistrado. Exercendo seu direito de silêncio, o empresário limitou-se a dizer que as suas declarações estavam todas contidas num documento de cerca de 19 páginas, que algumas horas antes da audiência, havia sido entregue pelos seus advogados de defesa.

Marcelo Odebrecht chegou a questionar o desenrolar de toda a operação #Lava Jato. Numa critica aberta ao magistrado, o empresário afirmou que nunca fora questionado quanto ao fatos investigados pela Lava Jato. Ele declarou que se as investigações tivessem sido feitas de outro modo, não haveria justificativa de todos estes procedimentos que estão sendo executados.

O empresário referiu-se o fato de que os procuradores que participam da operação, em nenhum momento, se disponibilizaram em ouvir a sua versão dos fatos, numa referência clara ao fato de sua prisão ser injusta. O mesmo declarou que está sendo vítima de uma publicidade opressora, e que vem sendo, constantemente, submetido a constrangimentos pessoais