A greve dos caminhoneiros avança e entra no seu segundo dia de manifestação, com a realização de bloqueios em várias  estradas brasileiras e a formação de longas filas de caminhões, que trafegam em marcha lenta, como forma de protesto contra o #Governo.

O palácio do planalto declara que a #Greve possui apenas um cunho político, sem nenhum tipo de reivindicação concreta, por parte da categoria. Deste modo, o movimento passará a sofrer punições por parte dos órgãos de controle subordinados ao Ministério da Justiça, como a PRF (Polícia Rodoviária Federal), conforme afirmou Eduardo Cardozo, ministro da pasta.

As últimas informações sobre a greve dos caminhoneiros informam que no dia de ontem, terça-feira, 09 de novembro, as paralisações se estenderam aos estados: CE, BA, MG, GO, PE, MS, RN, PR, PE, RS, RN, SP, SC, além de Tocantins.

Publicidade
Publicidade

No total, foram 14 estados que tiveram trechos de estradas bloqueadas.

As manifestações são contestadas pelo governo, que se apoia em dois argumentos. Primeiro, que o movimento não tem nenhum apoio dos próprios sindicatos que integram a categoria. Segundo, é que não existe uma pauta de reivindicações que pudesse ser apresentada pelos representantes do movimento grevista.

O próprio sindicato e a  Confederação Nacional dos Transportes Autônomos corroboram com as declarações do governo e afirmam que não apoiam o movimento, que, segundo eles, tem apenas um objetivo político. A greve, de acordo com as entidades, não se apoia nos reais problemas que a categoria apresenta.

Os integrantes do movimento, por sua vez , se defendem e afirmam que a greve é formada por caminhoneiros autônomos, que são independentes dos sindicatos.

Publicidade

Eles afirmam que são contrários ao atual governo da presidente Dilma Rousseff e reivindicam o reajuste do preço dos fretes, a queda no preço do óleo diesel e o aumento de impostos, assim como outras questões a serem discutidas.

Eduardo Cardoso afirmou que, como o movimento não tem apoio das entidades oficiais que representam a categoria, ele irá solicitar que sejam efetuadas punições rigorosas aos motoristas que participarem das manifestações. O movimento possui apenas caráter político, onde uma pequena parte dos caminhoneiros está sendo utilizada por um grupo que visa atingir o objetivo de provocar desgaste político do governo atual.

No entendimento de Cardoso, este tipo de movimento é um atentado contra todos os brasileiros deste país. Ele determinou a Policia Rodoviária Federal que sejam aplicadas multas, cujo valor deverá chegar a R$ 2.000,00 para cada motorista que participar de bloqueios, em qualquer trecho das estradas brasileiras. As multas, segundo determinação, deverão ser aplicadas imediatamente após a constatação do fato.

O ministro ainda declarou que vai exigir o mais alto rigor nas ações e fiscalizações por parte do Ministério e da Polícia Rodoviária, em todos os estados.   #Crise no Brasil