A posse do presidente eleito Maurício Macri se dará no próximo dia 10 de dezembro, na Argentina e a presidente #Dilma Rousseff comparecerá ao evento. Maurício Macri ganhou a disputa eleitoral em uma eleição acirrada com o candidato Scioli, apoiado pela anterior presidente Cristina Kirchner, que ficou no poder por 12 anos.

O presidenciável terá um encontro com Dilma Rousseff antes da sua posse. É de praxe que os líderes dos países se encontrem, tal como ocorreu com Luís Inácio Lula da Silva e Fernando Henrique Cardoso. Será a primeira visita do presidente eleito a um país antes da sua posse; o encontro será confirmado por um telefonema e Dilma Rousseff parabenizou o candidato pela vitória.

Publicidade
Publicidade

No dia 21 de dezembro os dois presidentes se encontrarão no Mercosul. Os dois países mantêm relações econômicas e comerciais importantes, esse encontro selará a amizade e o pacto entre as nações. É de recordar, porém, que Dilma Rousseff tinha uma grande amizade com Cristina Kirchner e chegou a desejar a vitória de Scioli, em apoio aos laços que mantinha com a ex-presidente da Argentina, e tendo em conta que ambas vêm da mesma área política.

Atualmente a Argentina passa por uma enorme crise econômica e Macri quer estabelecer o desenvolvimento do país e melhorar a economia. A sua campanha foi baseada em um diferencial e utilizou estratégias de marketing para transmitir a sua mensagem para o eleitor e passar uma imagem de renovação e mudança.

O novo presidente da Argentina deseja inovar o Mercosul, estabelecendo boas relações com o governo brasileiro e ter dinamismo.

Publicidade

Ele ainda não divulgou a sua equipe, mas se sabe que irá criar um supergabinete econômico que será composto por 6 ministros: fazenda, finanças, trabalho, energia, produção, transporte e agricultura.

A sua forma de governar será diferente, as ideias do seu partido PRO são mais inovadoras e com maior abertura, e tentará manter um maior diálogo com a população. O resultado das eleições mostrou um eleitorado dividido e as eleições foram acirradas.

Apesar das diferenças (ao nível de política interna) entre o PT no Brasil e o PRO na Argentina, o Brasil deverá manter um bom relacionamento com o seu vizinho platino. Que o novo presidente Macri realize um bom governo, pois terá uma dura missão pela frente.