O Vice-Presidente Michel Temer prepara o PMDB e a sociedade para um eventual #Impeachment da Presidente Dilma Roussef. As reuniões, encontros, reportagens de revistas e jornais, e o documento “Uma ponte para o futuro” indicam que o PMDB não pretende ter um papel de coadjuvante durante os próximos três anos.

O PMDB é um partido muito plural, com muitas lideranças e interesses, mas cresce a cada dia uma base de sustentação a um futuro #Governo de Michel Temer. No encontro de terça-feira, 17/11, em Brasília, a posição de uma parte da bancada ficou bastante evidente como retratada pela fala do deputado Darcísio Perondi (PMDB-RS): “Nós achamos que do jeito que está não dá e achamos que o Michel Temer está preparado para assumir o pós-impeachment da Dilma Rousseff”.

Publicidade
Publicidade

É bom lembrar também que a bancada do PMDB que apoio o Governo não apareceu ao evento, nem para apoiar o documento e nem para protestar ou defender o Governo.

UMA PONTE PARA O FUTURO

O documento “Uma ponte para o futuro” elaborado pelo PMDB retrata o sentimento de mudança e atinge pontos específicos, como o ajuste fiscal. A proposta em relação ao ajuste não está baseada em aumento de impostos, mas sim, na alteração de despesas obrigatórias que geram desequilíbrios entre receitas e despesas em período de baixo crescimento, e uma reforma previdenciária que também sejam discutidos benefícios e gozos que foram garantidos por normas constitucionais.

Segundo o próprio documento: “De um lado, a falta de espaço para aumento das receitas públicas através da elevação da carga tributária, de outro, a rigidez institucional que torna o orçamento público uma fonte permanente de desequilíbrio”.

Publicidade

OPOSIÇÃO AO GOVERNO

O PMDB tem ocupado cada vez mais espaço no papel de oposição ao Governo Dilma Roussef, trazendo propostas e definindo pautas no congresso por meio do Presidente Eduardo Cunha ou mesmo do Presidente do Senado Renan Calheiros. Além disso, tem buscado um alinhamento com o setor empresarial por meio de reuniões e encontros com os seus principais líderes e ainda conta com Paulo Skaf, presidente da Fiesp.

Em recente entrevista a Folha, o ex-presidente do Banco Central Armínio Fraga citou diversas vezes o PMDB e algumas de suas análises se assemelham bastante com aquelas divulgadas no documento “Uma ponte para o futuro”. #Crise no Brasil