A capa da Revista Veja que chegou às bancas nesse fim de semana traz uma reportagem que promete mexer com o Palácio do Planalto, em Brasília. De acordo com a publicação mais lida do país, a presidente da república, Dilma Rousseff, pode ter o seu mandato cassado já no início de 2016. E quem se prepara para tomar o lugar da líder política do território brasileiro é o vice Michel Temer. O representante do PMDB já teria até uma tese embasada para substituir Rousseff, do PT. A tese jurídica seria utilizada para defender a sua posse. Mas não para por aí. Michel Temer também estaria se resguardando com empresários e alianças políticas, evitando assim qualquer tipo de surpresa negativa no futuro. 

Os comentaristas da Veja, Carlos Craieb e Augusto Nunes, comentaram em um vídeo postado no site da revista, a repercussão da capa bombástica.

Publicidade
Publicidade

Para Augusto, Michel Temer já emitiu vários sinais de que só estaria esperando Dilma cair. A presidente enfrenta uma taxa de rejeição recorde, que beira os 70% dos eleitores. Além disso, a economia está enfraquecida. A inflação, por exemplo, já bate os 10% nos últimos doze meses, enquanto o desemprego só sobe, mesmo no fim do ano, época em que as empresas costumar fazer mais contratações.

Augusto disse que conversou com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e que esse teria dito que Michel Temer está ansioso, mostrando assim qual é a expectativa dele pelo poder. No entanto, o vice-presidente precisa se ater à uma boa tese jurídica, especialmente caso o mandato de Dilma seja cassado pelo Tribunal Superior Eleitoral, o TSE. O representante do PMDB então estaria tentando desvincular seu nome ao pleito do ano passado, que reelegeu Rousseff.

Publicidade

Para isso, de acordo com a Veja, o vice-presidente tem se reunido até com juízes e especialistas na constituição. 

Desde que assumiu o seu segundo governo, #Dilma Rousseff está na mira da degola. Apesar das muitas teses de #Impeachment e de renúncia, a presidente vem terminando, mesmo que cambaleando, o seu primeiro ano do segundo mandato.