Os carros de luxo do ex-presidente e atual senador Fernando Collor de Mello encantam a todos, pois são veículos modernos, com design arrojado e tecnologia de ponta. Ter estes veículos na garagem de casa não é fácil, já que eles custam muito caro, sem contar as despesas que se tem para mantê-los.

E será que Collor não se importa de gastar tanto dinheiro com seus luxuosos carros? A Polícia Federal acha que não, mas é porque o dinheiro estaria vindo de propina, recursos repassados pelo doleiro Alberto Youssef. A PF está investigando o ex-presidente do Brasil e o processo está no Supremo Tribunal Federal. Collor é acusado de receber cerca de R$ 26 milhões durante 5 anos, em negócios com a BR Distribuidora.

Publicidade
Publicidade

O laudo cita 4 carros luxuosos de Fernando Collor, que custaram mais de R$ 6 milhões. Na lista está uma Lamborghini Aventador de R$ 3,2 milhões, tem uma linda Ferrari 458, que custa aproximadamente R$ 1,45 milhão, um Bentley Flying, cujo valor é de R$ 980 mil e tem ainda um Range Rover de R$ 570 mil.

Para a Polícia Federal não há dúvidas, Collor teria comprado estes luxuosos veículos utilizando dinheiro vindo de suborno. A PF se baseia na quebra de sigilo e após analisar mais de 100 mil operações bancárias do senador.

Ao todo, foram verificadas 11 contas de Fernando Collor, de sua mulher e também de algumas empresas que lhe pertence, entre elas, a "TV Gazeta Alagoas". A PF descobriu que o dinheiro chegava às contas do senador, ou nas contas de suas empresas, através de repasses de propina.

Publicidade

Os depósitos feitos foram em dinheiro vivo, só que divididos em valores menores para evitar alguma suspeita, mas a Polícia estranhou a repetição exagerada dos valores depositados de forma fracionada, o que indica ser "lavagem de dinheiro". Foram ao todo 469 depósitos no valor de R$ 2 mil nas contas de Collor. E no dia 16 de agosto de 2011, foram realizados 35 depósitos também no valor de R$ 2 mil, mais 46 depósitos de R$ 1.500,00.

Os depósitos foram realizados em um caixa eletrônico, em Brasília, em uma agência do banco Itaú. E é esta mesma agência que consta nos comprovantes apreendidos pela Polícia Federal, que pertencem ao doleiro Alberto Youssef. O laudo também aponta depósitos feitos em espécie em conta bancária da TV Gazeta, pertencente à família de Collor, e que foram todos repassados ao senador para pagar os veículos luxuosos.

Collor garante que não tem nenhum tipo de relacionamento com Youssef e, quando questionado sobre todo o dinheiro que foi depositado em suas contas, o ex-presidente disse que não pode ser responsável pelo depósito que terceiros fazem em sua conta corrente. #Governo #Corrupção #Investigação Criminal