Deputados que compõem as bancadas de PSOL, Rede, PPS, PSB, DEM e #PSDB entregaram, nesta quarta-feira (25), a Procuradoria Geral da República (PGR) documento que lista diversas atitudes do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), usando de seu cargo em benefício próprio. Os parlamentares alegam que Cunha pode tentar inviabilizar o trabalho da Operação Lava Jato e do Conselho de Ética.

O objetivo dos deputados que estiveram na PGR, e que desenvolveram a representação, é pedir o afastamento de #Eduardo Cunha do cargo.

“Ele representa a instabilidade, o atraso da representação popular. A sua arrogância é o que o faz querer se manter no cargo”, declarou Chico Alencar, líder do PSOL na Câmara, e um dos parlamentares que já sofreram retaliações de Eduardo Cunha por sua postura combativa ao presidente.

Publicidade
Publicidade

O deputado Betinho (PSDB-PE) também esteve presente no ato da entrega e destacou que espera que a PGR acione o mais rápido possível ao Supremo Tribunal Federal (SFT) devido à “solidez dos argumentos”.

“Esperamos que o procurador analise rapidamente esta petição para que a Casa possa ter um ritmo normal e para que as decisões sejam tomadas com base no regimento, e não na interferência de quem está comandando a presidência da Câmara”, afirmou.

Ivan Valente (PSOL-SP) e Domingos Sávio (PSDB-MG) destacaram a existência de fortes atos do presidente da Câmara em benefício próprio. Segundo Sávio, Cunha vem “manipulando o regimento e cerceando a liberdade dos deputados”. Já Valente afirmou que Cunha utiliza há meses representações no Conselho de Ética e na Corregedoria contra os oposicionistas ao seu mandato.

Publicidade

Jean Wyllys (PSOL-RJ) e Chico Alencar, para citar apenas dois deputados do mesmo partido de Ivan Valente, foram parlamentares que sofreram com a postura truculenta de Cunha nesse sentido.

Sávio ainda encerrou afirmando que o PSDB não dará tréguas e irá lutar até conseguir tirar Eduardo Cunha da presidência da Câmara dos Deputados.

Leia aqui o documento na íntegra entregue a Procuradoria Geral da República pelos partidos.